Novo Banco contrata consultora internacional para avaliar venda de ativos

Marques Mendes revelou na SIC que o Novo Banco pediu a uma "consultora internacional de renome" para avaliar o processo de alienação de ativos.

Marques Mendes revelou este domingo na SIC que recebeu uma carta de António Ramalho onde este anunciou que iria pedir a uma consultora internacional de renome para avaliar as dúvidas que foram levantadas nos processos de alienação de ativos do banco.

Nessa carta, explicou o comentador da SIC, o presidente do Novo Banco terá escrito que, por um lado, “vai dar explicações à Assembleia da República em setembro” e, por outro, que o financiamento que o banco fez a um fundo de investimento (o Anchorage Capital) para comprar imóveis do próprio Novo Banco teve o aval da Comissão Europeia.

Nessa carta, revela Mendes, o Novo Banco informa-me que resolveu, mesmo assim, pedir a opinião independente a uma consultora internacional de renome, que possa responder de forma imparcial às dúvida que foram enunciadas“.

As dúvidas prendem-se essencialmente com dois casos, ambos noticiados pelo jornal Público. Por um lado, o projeto “Sertorius” em que o Novo Banco vendeu uma carteira de 200 imóveis com um desconto de 70% e uma perda de 328 milhões de euros, sendo que a alienação foi feita ao fundo Cerberus, que é acionista do banco austríaco BAWAG P.S.K, no qual foi CEO Byron Haynes, atual chairman do Novo Banco.

O outro caso que provocou polémica foi o projeto “Viriato”, uma carteira com 5.355 imóveis compostos por 8.486 frações cujo comprador, a Anchorage Capital, tem sede nas ilhas Caimão, não se conhecendo os seus beneficiários últimos. Além disso, depois deste negócio, um vice-presidente da Lone Star, David Bartlett, foi contratado pelo Anchorage Capital, onde exerce agora as funções de diretor.

Recorde-se que nesta altura a consultora Deloitte está a fazer uma auditoria ao Novo Banco relativa a período de 2018 por causa da ajuda pública que o Novo Banco recebeu no ano passado.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Novo Banco contrata consultora internacional para avaliar venda de ativos

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião