Contrato com Segurança Social dá ganhos de mais de 6% em bolsa aos CTT

No dia em que se sabe que a Segurança Social vai pagar mais de dez milhões de euros aos CTT, a empresa valoriza mais de 6% na bolsa de Lisboa. Índice nacional está de volta às subidas.

A bolsa de Lisboa regressou aos ganhos após duas sessões de perdas. Arrancou a semana em alta, seguindo as valorizações observadas nas congéneres europeias. O BCP e a Galp Energia impulsionaram o índice nacional, mas o destaque vai para os CTT, cujos títulos subiram mais de 6%.

O PSI-20 subiu 0,67%, para 4.396,49 pontos. Entre as 18 cotadas, 12 fecharam a sessão em alta. Lideraram os ganhos as ações dos CTT, que avançaram 6,34%, para os 2,685 euros, máximos de 21 de fevereiro. Isto no dia em que foi conhecido que a Segurança Social iria pagar até 10,42 milhões de euros em serviços postais dos CTT – Correios de Portugal nos próximos três anos.

A contribuir para os ganhos do PSI-20 encontram-se também os “pesos pesados” da bolsa. O BCP avançou 2,07% para os 0,1034 euros, enquanto a Galp Energia subiu 2,01% para os 9,336 euros. Nota ainda para a Corticeira Amorim, que somou 2,13% nesta sessão, para os 10,54 euros.

Por outro lado, a Jerónimo Martins caiu 0,49% para os 14,085 euros, depois de ser multada na Polónia por preços enganadores. O regulador polaco da Concorrência diz que a investigação revelou que os preços finais dos produtos vendidos pela Biedronka, retalhista que lidera o mercado polaco, eram superiores aos rótulos indicados na loja ou que não existia informação sobre o preço.

Em “terreno” negativo e a travar maiores ganhos do índice de referência nacional destaca-se ainda a EDP, que perdeu 0,71% para os 4,34 euros, e a Nos, que recuou 0,77% para os 3,624 euros.

Na Europa, a generalidade das praças fechou em terreno positivo. O Stoxx 600 subiu 0,3%, o francês CAC-40 avançou 0,3% e o espanhol IBEX-35 valorizou 1,7%. O alemão DAX fechou inalterado face à sessão anterior.

(Notícia atualizada pela última vez às 17h00)

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Contrato com Segurança Social dá ganhos de mais de 6% em bolsa aos CTT

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião