Segurança Social vai pagar 10,42 milhões aos CTT até 2023

IGFSS vai iniciar as diligências para a celebração de um contrato para emissão de vale postal para pagamento de prestações familiares, diferidas e sociais, pelo período de 36 meses.

O Instituto de Gestão Financeira da Segurança Social (IGFSS) vai pagar até 10,42 milhões de euros em serviços postais dos CTT – Correios de Portugal nos próximos três anos anos, de acordo com a resolução do Conselho de Ministros publicada esta segunda-feira em Diário da República.

Em causa estão as despesas que o Instituto tem de fazer com notificações como o pagamento de pensões e rendimento social de inserção através de vale-postal. “Importa assegurar o pagamento de prestações diferidas e sociais, nomeadamente prestações familiares, pensões, subsídios e complementos processados pela Caixa Nacional de Pensões, rendimento social de inserção, pensões no âmbito das doenças profissionais, prestações de ação social, doença, desemprego e prestação social para a inclusão, mediante a emissão de vales postais, sendo esta aquisição de serviços imprescindível e revestindo-se de caráter corrente e contínuo”, explica a resolução.

Para cumprir estes objetivos, este instituto público de regime especial tem de iniciar as diligências para a celebração de um contrato para emissão de vale postal para pagamento de prestações familiares, diferidas e sociais, pelo período de 36 meses”, acrescenta a mesma resolução. Em causa está uma despesa “corresponde ao montante máximo global de 10.424.026 euros”, isentos de IVA. Um contrato que terá de ser celebrado com os CTT tendo em conta que estes têm o exclusivo “dos serviços de aceitação, tratamento e distribuição de objetos postais, bem como a emissão e venda de selos e outros valores postais”.

Estes cerca de dez milhões têm de ser gastos em tranches definidas ao longo dos vários anos. Assim, este ano, o IGFSS tem 399.910 euros para gastar, 4,6 milhões no próximo, cerca de 3,4 milhões em 2022 e os restantes dois milhões em 2023. A resolução define ainda que se a totalidade do dinheiro não for gasta num ano pode transitar para o ano seguinte.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Segurança Social vai pagar 10,42 milhões aos CTT até 2023

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião