CGD deixa de enviar carta-cheque a 100 mil beneficiários da Segurança Social

  • ECO
  • 5 Junho 2019

O pagamento das prestações sociais a 100 mil beneficiários da SS vai deixar de ser pago por carta-cheque depois de a CGD ter desistido de prestar esse serviço, alegando "condições penalizadoras".

Cerca de 100 mil beneficiários de subsídio de desemprego e de outras prestações sociais vão deixar de receber em casa a habitual carta-cheque. Tal resulta do facto de a Caixa Geral de Depósitos (CGD) ter desistido de prestar esse serviço aos beneficiários da Segurança Social, revela o Dinheiro Vivo (acesso pago) nesta quarta-feira, considerando as condições “penalizadoras”.

O Instituto de Gestão Financeira da Segurança Social (IGFSS) dá conta dos problemas que afetam os pagamentos que ainda não são feitos via transferência bancária — 16% das prestações pagas. No último Plano Estratégico, revela que o único banco que prestava o serviço de carta-cheque denunciou o último contrato que mantinha. Ao mesmo tempo, o fecho de estações de CTT resulta em “dificuldades crescentes na operação de emissão e pagamento de vales-postais”.

A CGD comunicou à Segurança Social que não pretende continuar a renovar o contrato em que desde 2014 garantia os serviços de carta-cheque de prestações sociais, para beneficiários nacionais e internacionais. O banco liderado por Paulo Macedo pretende no entanto não acabar com o contrato para pagamentos fora do país, com um valor de 1,74 euros por transação.

O último contrato de cartas-cheque nacionais, com um valor global estimado em 1,76 milhões de euros (47 cêntimos por transação) data de 2016 e previa a possibilidade de uma renovação anual em 2019, mas acabou por ser denunciado “dadas as condições penalizadoras para a instituição”, segundo a CGD.

A Segurança Social garante no entanto que os pagamentos não estão em causa. “Todos os pagamentos a beneficiários de pensões e prestações sociais se encontram e permanecerão totalmente assegurados.”

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

CGD deixa de enviar carta-cheque a 100 mil beneficiários da Segurança Social

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião