CTT com “entregas verdes” em Lisboa. Vão chegar a mais cidades de Portugal

Com uma frota de mais de 320 veículos elétricos, os CTT querem "dar continuidade ao processo com a aquisição de novas viaturas", disse Miguel Salema Garção, diretor de Comunicação e Sustentabilidade.

E se todas as encomendas que chegam lá a casa, fruto das compras online que estão a aumentar cada vez mais com a pandemia de Covid-19, fossem entregues num veículo 100% elétrico, alimentado com eletricidade renovável, com uma pegada carbónica significativamente menor? Esta é a mais recente aposta dos CTT: um serviço de “entregas verdes” ao domicílio, que estão já a ser testadas em parceria com uma marca de cápsulas de café.

A partir deste mês de julho, todas estas entregas serão 100% descarbonizadas e integralmente garantidas por um veículo elétrico dos CTT. Este programa de “entregas verdes” vai permitir reduzir mais de 15 toneladas de CO2, por comparação com o serviço de entregas com veículos a diesel, que era usado antes.

Lisboa foi a cidade escolhida para dar início às entregas mais sustentáveis e neutras em carbono, mas o projeto pode chegar a outras cidades e a outras marcas, garantiu Miguel Salema Garção, diretor de Miguel Salema Garção, diretor de Comunicação e Sustentabilidade dos CTT, em mais uma edição das Capital Verde Web Talks, uma série de conversas online com os Parceiros Fundadores e Agentes de Mudança da primeira plataforma online especializada em Finanças Sustentáveis e Green Economy em Portugal.

Veja aqui o vídeo:

“Os CTT têm uma das maiores frotas elétricas do país, com mais de 320 veículos, e temos vindo a dar continuidade ao processo com a aquisição de novas viaturas para as operações e distribuição. Além disso, 100% da energia elétrica que compramos é de origem renovável, o que faz com que o impacto carbónico das viaturas seja nulo, contribuindo para a qualidade do ar das nossas cidades”, disse Miguel Salema Garção.

Sobre as “entregas verdes”, garante que é um serviço em que os CTT querem “continuar a apostar e a incentivar. São os próprios clientes que já pedem e exigem, tendo em conta as crescentes preocupações de sustentabilidade. O consumidor final dita as exigências do serviço e valoriza as medidas em defesa do ambiente”.

De acordo com o responsável de Sustentabilidade dos CTT, nos últimos meses a empresa consumiu menos 9% de energia elétrica e assim emitiu menos 582 toneladas de CO2 para a atmosfera, 1% da sua pegada carbónica global.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

CTT com “entregas verdes” em Lisboa. Vão chegar a mais cidades de Portugal

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião