CTT recrutam 800 pessoas desde abril, a maioria carteiros

Os CTT recrutaram mais de oito centenas de novos colaboradores desde o início de abril, a maioria para as funções de carteiro em substituição de férias ou para suprir absentismo da pandemia.

Os CTT recrutaram mais de 800 novos colaboradores desde o início de abril, a maioria para desempenharem “funções de carteiro”. Estes profissionais estão a “reforçar as equipas” da empresa com “contratos a termo para a substituição de férias”, mas também por via de “novos contratos por abertura de vagas programadas” ou devido ao “aumento da atividade de encomendas”, avançou a empresa.

As mais de oito centenas de contratações nos últimos quatro meses visaram também “suprir necessidades temporárias, um pouco por todo o país, para compensar o crescimento do absentismo resultante da situação da pandemia”, lê-se num comunicado. A empresa postal tinha 12.010 trabalhadores no final de março.

“Durante todo período da pandemia que nos afeta, os CTT continuaram próximos da população, na linha da frente, recompondo as suas operações e as suas equipas para garantir a prestação continuada dos seus serviços e mantendo uma elevada intensidade de contratação de trabalhadores, contribuindo, assim, para assegurar o funcionamento da economia e permitir que os portugueses acedessem a tudo o que necessitavam”, garante a empresa.

CTT renova frota com 849 novos veículos

O grupo postal indica também que “prosseguiu” a renovação da frota automóvel com a entrada ao serviço de 849 veículos. Mais concretamente, duas centenas de motociclos, 641 veículos ligeiros de mercadorias e oito veículos pesados de mercadorias”. Segundo os CTT, este investimento deverá “gerar uma poupança anual superior a 28.000 litros de combustível e de 73,2 toneladas de CO2“.

Além disso, o grupo presidido por João Bento encontra-se a investir na rede postal, preparando-se para ligar a “última das cinco novas máquinas de tratamento de correio” resultantes de um investimento de 15 milhões de euros. Por fim, o grupo destaca que também continua “o desenvolvimento de novas instalações adaptadas a tráfego de maior volumetria, estando neste momento em fase de construção sete centros logísticos da rede, dos 15 serão inaugurados até ao final de 2021”.

Os CTT vão apresentar resultados do primeiro semestre a 5 de agosto de 2020, após o fecho dos mercados de capitais na Europa. Espera-se que a empresa apresente uma subida expressiva no tráfego de encomendas, devido ao confinamento provocado pela pandemia. Esta segunda-feira, as ações da empresa estão a recuar 1,76%, para 2,23 euros cada título.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

CTT recrutam 800 pessoas desde abril, a maioria carteiros

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião