Pandemia afetou mais de 70% dos jovens que estudam e trabalham. Um em cada seis perdeu o emprego

  • Lusa
  • 11 Agosto 2020

Um em cada seis estudantes trabalhadores ficaram sem emprego durante o confinamento imposto pela covid-19 e 38% afirmam sentir incerteza sobre o seu futuro.

Mais de 70 por cento dos jovens estudantes ou trabalhadores-estudantes foram afetados negativamente pela pandemia, alertou esta terça-feira a Organização Internacional do Trabalho (OIT), que aponta o “efeito devastador” da pandemia na educação, formação e trabalho da juventude.

Num inquérito sobre os impactos do novo coronavírus sobre o emprego, educação, direitos e saúde mental, a agência das Nações Unidas assinala que 65% de mais de 12.605 jovens entre os 18 e os 34 anos inquiridos online relataram ter aprendido menos com o fim das aulas presenciais.

No inquérito, conduzido entre 21 de abril e 21 de maio, metade responderam ainda que ter aulas à distância iria atrasar os seus estudos e nove por cento afirmaram recear uma reprovação.

Um em cada seis estudantes trabalhadores ficaram sem emprego durante o confinamento imposto pela covid-19 e 38% afirmam sentir incerteza sobre o seu futuro, uma vez que muitos trabalham em setores especialmente afetados, como serviços ou vendas.

Dos que não perderam o emprego, 42% tiveram cortes no vencimento, assinala a OIT, que afirma que a crise pós-covid-19 vai “criar mais obstáculos no mercado laboral e aumentar o período de transição da escola para o emprego”.

Tudo isto tem impacto na saúde mental e no estudo: Estima-se que é possível que 50% dos inquiridos estejam sujeitos a depressão ou ansiedade e que é provável que 17% estejam mesmo afetados.

O impacto da pandemia na educação dos jovens é superior nos países de rendimentos mais baixos por causa de terem menos acesso à Internet, menos computadores e casas mais pequenas.

Enquanto 65% dos jovens em países com rendimentos mais altos tiveram acesso a aulas por vídeo, isso aconteceu com apenas 18% dos inquiridos que vivem em países mais pobres.

O director-geral da OIT, Guy Ryder, afirmou que a pandemia está causar “vários choques” na vida dos jovens: “não só destrói empregos e perspetivas de emprego como perturba a educação e formação e tem impactos sérios no bem-estar mental”. “Não podemos deixar que isto aconteça”, defendeu, na véspera do Dia Mundial da Juventude, que se assinala na quarta-feira.

A OIT advoga a reintegração no mercado laboral dos jovens que perderam o seu trabalho ou que estão em regime de ‘lay-off’ e perderam rendimento, bem como apoio psicológico e acesso a benefícios sociais. Durante a pandemia, um quarto dos jovens inquiridos foi fazer voluntariado, demonstrando “a sua energia para se mobilizarem e fazerem ouvir a sua voz na luta contra a crise”, salienta a OIT.

Exigem-se “resposta políticas urgentes e em grande escala para proteger uma geração inteira de jovens cujas perspetivas de emprego podem ficar permanentemente afetadas pela crise”.

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história e às newsletters ECO Insider e Novo Normal.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

Pandemia afetou mais de 70% dos jovens que estudam e trabalham. Um em cada seis perdeu o emprego

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião