Qual é a profissão mais bem paga do país?

A profissão mais bem paga do país integra a área das tecnologias de informação e comunicação, as designadas "TIC". O salário anual bruto pode ultrapassar os 100.000 euros. Consegue adivinhar?

As empresas no setor “Atividades de informação e comunicação” são as que mais preveem contratar trabalhadores com formação superior nos próximos dois anos. É neste setor que se encontra a profissão mais bem paga no país, apesar de ainda haver diferenças geográficas: o salário anual médio do profissional mais bem pago em Lisboa é 20% mais alto do que na profissão mais bem paga no distrito do Porto.

Qual é, afinal, a profissão mais bem paga em Portugal? O ECO foi tentar obter a resposta a esta pergunta e, de acordo com os dados da empresa de recrutamento Randstad, referentes a 2020, a profissão com o rendimento mais alto pode encontrar-se no distrito de Lisboa, e corresponde a um diretor dos serviços das tecnologias da informação e comunicação (TIC), cujo salário médio anual bruto está fixado nos 103.600 euros.

Segundo a Classificação Portuguesa das Profissões Portuguesas do INE, um diretor dos serviços das tecnologias da informação e comunicação (TIC), também designado de CTO (chief technology officer), é responsável por consultar utilizadores, gestores, vendedores e técnicos, para avaliar necessidades de equipamentos informáticos, requisitos do sistema e especificar a tecnologia a utilizar; formular e dirigir estratégias, políticas e planos para as TIC; dirigir a seleção e instalação de equipamentos das TIC e fornecer formação; dirigir operações das TIC, analisar fluxos de trabalho, estabelecer prioridades, desenvolver normas e determinar prazos; supervisionar a segurança dos sistemas das TIC; atribuir, gerir e liderar o trabalho de analistas de sistemas, programadores e outros trabalhadores da área da informática; avaliar a utilização e necessidades das TIC numa organização; elaborar e gerir orçamentos, controlar despesas e assegurar a utilização eficiente dos recursos; e, ainda, representar a empresa ou organização em convenções, seminários e conferências sobre as TIC.

Para chegar a esta conclusão, a Randstad analisou anúncios, colocações e entrevistas. E os resultados revelam que há diferenças entre o Norte e o Sul do país.

Também no pódio das profissões mais bem pagas no distrito de Lisboa encontramos a função de diretor-geral, cujo salário médio anual chega aos 84.000 euros. Segue-se a de profissão de internal audit manager e de médico especializado em medicina do trabalho, ambas com um salário anual médio de 56.000 euros e, em quinto lugar, o IT manager que recebe por ano, em média, 55.594 euros.

Já no distrito do Porto, a profissão mais bem paga é a de diretor de sucursal, com um salário médio anual de 79.800 euros. Entre as cinco profissões mais bem pagas na região encontramos ainda a diretor de private banking, com 70.000 euros anuais; de CIO (chief information officer) com 59.598 euros anuais, plant manager, com um salário médio anual que chega aos 56.000 euros e, em quinto lugar um administrador de base dados, cujo salário médio anual é de 53.662 euros.

O que diz o INE?

1.716 euros/mês. É o valor do salário médio mensal líquido dos representantes do poder legislativo e de órgãos executivos, dirigentes, diretores e gestores executivos, que são atualmente a função mais bem paga entre os profissionais por conta de outrem, de acordo com os dados do INE referentes ao primeiro trimestre de 2020.

Seguem-se, por ordem decrescente, os especialistas das atividades intelectuais e científicas (1.333 euros), os profissionais das Forças Armadas (1.136 euros), técnicos e profissões de nível intermédio (1.030 euros) — onde se incluem profissões como programadores, operadores de informática e trabalhadores similares, educadores de infância, professores do ensino especial, técnicos dos transportes marítimos e aéreos, entre outros –, pessoal administrativo (784 euros), trabalhadores dos serviços pessoais, de proteção e segurança e vendedores (704 euros), agricultores e trabalhadores qualificados da agricultura, da pesca e da floresta (649 euros), trabalhadores qualificados da indústria, construção e artífices (775 euros), operadores de instalações e máquinas e trabalhadores da montagem (780 euros), e trabalhadores não qualificados (569 euros).

Apesar de as profissões menos qualificadas terem o salário médio mensal mais baixo — abaixo do salário mínimo nacional de 635 euros –, prevê-se que sejam as mais procuradas até 2022, revela o INE.

Pedreiro, empregado de restaurante/bar e eletricista de instalações são as qualificações em que se registam maiores dificuldades de recrutamento de trabalhadores. Nos próximos dois anos, as empresas portuguesas querem reforçar o recrutamento para empregados de restaurante/bar, técnico de comércio e técnico de restaurante/bar.

Quanto custa fazer uma máscara? Quanto gasta cada família com as telecomunicações? Quanto cobra uma imobiliária para vender a casa? Ou qual a profissão mais bem paga do país? Durante todo o mês de agosto, e todos os dias, o ECO dá-lhe a resposta a esta e muitas outras questões num “Sabia que…”.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Qual é a profissão mais bem paga do país?

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião