À procura de emprego? Estas serão as profissões mais procuradas nos próximos anos

  • Pessoas
  • 26 Julho 2020

Software developers, web developers, enfermeiros, motoristas ou terapeutas físicos. Estas serão algumas das profissões mais procuradas nos próximos anos, com salários médios anuais acima da média.

A pandemia tirou o emprego a milhares de pessoas, um pouco por todo o mundo, e está a mudar o paradigma de trabalho. Algumas profissões ganham hoje mais importância, trazendo melhores perspetivas de o futuro em determinados setores, como é o caso das atividades relacionadas com os cuidados de saúde ou ligadas à tecnologia.

Com a necessidade de confinamento, aumentou a necessidade de prestação de cuidados de saúde em casa. Para estes profissionais, o salário por hora pode ultrapassar os 10 euros à hora, fazendo desta profissão uma das mais promissoras para o futuro. Dar assistência na alimentação ou garantir a higiene dos pacientes são algumas das funções de um assistente de enfermaria, para os quais o salário médio anual ultrapassar os 24.500 euros. Já no setor da construção, o salário médio anual pode ultrapassar os 27.200 euros.

Nos próximos anos há algumas profissões que vão dominar o futuro do trabalho, sobretudo devido ao aumento previsto da sua procura. Essa aceleração vai também refletir-se nos salários, referem os especialistas.

De acordo com a CNBC (conteúdo em inglês, acesso livre), profissionais especialistas em desenvolvimento de software serão os mais bem pagos nos próximos anos, com o salário médio anual a ultrapassar os 90.000 euros.

Por ordem crescente, descubra o salário médio anual daquelas que serão as 15 profissões que serão as mais procuradas durante os próximos cinco anos, considerando o mercado norte-americano.

  1. Cuidados de saúde ao domicílio: 10,33 euros/hora
  2. Assistente de enfermagem: 24.554 euros
  3. Trabalhador de obra: 27.282 euros
  4. Assistente de terapeutas físicos: 28.682 euros
  5. Especialista em tecnologia médica: 48.642 euros
  6. Motorista de camiões: 49.719 euros
  7. Analista de operações: 53.035 euros
  8. Consultor financeiro: 57.025 euros
  9. Administrador de serviços de saúde: 70.147 euros
  10. Enfermeiro: 60.721 euros
  11. Web developer: 62.166 euros
  12. Terapeuta físico: 64.437 euros
  13. Analista de segurança da informação: 70.377 euros
  14. Especialista em estatística: 71.875 euros
  15. Software developer: 90.686 euros

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

À procura de emprego? Estas serão as profissões mais procuradas nos próximos anos

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião