Nos destrona Altice e lidera investimento em investigação

A Nos aplicou cerca de 67 milhões de euros em inovação no ano passado. Já a Altice investiu 58,2 milhões, embora tenha mais recursos humanos a trabalhar em Investigação e Desenvolvimento (I&D).

A Nos foi a empresa que mais investiu em Investigação e Desenvolvimento (I&D) em Portugal, em 2019, tirando a “coroa” à Altice, que foi líder no ano anterior. A conclusão está presente nos resultados provisórios do Inquérito ao Potencial Científico e Tecnológico Nacional 2019, divulgado pela Direção-Geral de Estatísticas de Educação e Ciência (DGEEC).

As duas empresas de telecomunicações ocupam os primeiros lugares da tabela. As despesas da Nos em I&D fixaram-se nos 67 milhões de euros no ano passado, contabilizando 193 trabalhadores na área. Já a Altice, que detém a Meo, gastou 58,2 milhões de euros, apesar de ser a empresa que conta com mais recursos humanos em I&D, 612 no total.

A finalizar o pódio encontra-se a farmacêutica Bial, que investiu 45,1 milhões de euros em I&D e emprega 145 pessoas neste departamento. Outras empresas do setor, como a Hovione (12º lugar), a Tecnimede (23º lugar) e a Hikma Farmacêutica (67º lugar), também se destacam na lista.

A banca também marca presença neste ranking, com o BCP em 5.º lugar, com despesas de cerca de 22 milhões de euros nesta área, seguido imediatamente pelo EuroBic, que investiu mais de 19 milhões, e a Caixa Geral de Depósitos em 77.º lugar, com gastos de dois milhões.

As 100 empresas e grupos com mais investimento nesta área “foram responsáveis por 47% da despesa total em I&D do setor empresarial em 2019, que atingiu 1.569 milhões de euros e representou 0,74% do PIB nacional desse ano”, adianta a DGEEC, no estudo. Já em termos de recursos humanos, estes grupos representaram quase um terço do total de pessoas afetas àquelas atividades, no setor empresarial.

De facto, no ano passado, o investimento em inovação atingiu um máximo histórico de 1,4% do PIB em 2019, com o impulso do setor privado, segundo dados do Ministério da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior. A despesa total em I&D em Portugal aumentou 8% em 2019, para os 2.987 milhões de euros, o que corresponde a 1,4% do PIB, o rácio mais elevado de sempre.

Ranking das empresas que ais investiram em inovação em 2019

Segundo fonte do Ministério da Ciência, o ranking não está completo por haver empresas que não reportaram informação ou pediram sigilo. Fonte: Direção-Geral de Estatísticas de Educação e Ciência

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Nos destrona Altice e lidera investimento em investigação

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião