Investimento em inovação atinge máximo histórico de 1,4% do PIB em 2019 com impulso das empresas

O investimento em inovação e desenvolvimento em Portugal atingiu 1,4% do PIB em 2019, um máximo histórico. O contributo das empresas foi decisivo para a melhoria deste indicador.

A despesa total em investigação e desenvolvimento (I&D) em Portugal aumentou 8% em 2019, para os 2.987 milhões de euros, o que corresponde a 1,4% do PIB, o rácio mais elevado de sempre. Os dados foram divulgados pelo Ministério da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior, com base no Inquérito ao Potencial Científico e Tecnológico Nacional (IPCTN), e o aumento foi superior no setor privado face ao público.

O ministério liderado por Manuel Heitor argumenta que estes dados mostram que Portugal está em convergência com a Europa neste indicador. Ao aumentar em 218 milhões de euros, ou 8%, em 2019, a despesa total em I&D “cresceu cerca do dobro do aumento relativo do PIB (que aumentou cerca de 4% entre 2018 e 2019)”. Face a 2015, início do atual Governo do PS e do mandato do ministro, o aumento da I&D é de 34% (752 milhões de euros).

Fonte: Ministério da Ciência, Tecnologia e do Ensino SuperiorMinistério da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior

Como mostra o gráfico (acima), a despesa das empresas em I&D caiu durante a anterior crise, mas depois recuperou e passou a ser superior à do setor público em 2017, tendo essa tendência sido reforçada até 2019, inclusive. No ano passado, as empresas investiram mais 144,4 milhões de euros, o equivalente a um crescimento de 10%, para os 1.569 milhões de euros (0,74% do PIB), o que corresponde a 53% da despesa de I&D em Portugal.

Anteriormente, com base apenas nas candidaturas ao SIFIDE, um universo mais reduzido do que o do IPCTN, o ministério tinha anunciado que o investimento das empresas portuguesas em investigação e desenvolvimento (I&D) cresceu cerca de 50% em 2019 e fixou-se nos 1.168 milhões de euros

Do lado do setor público, a despesa em I&D do ensino superior cresceu cerca de 5%, o equivalente a mais 56 milhões de euros, em 2019, “atingindo também um novo máximo histórico de 1.209 milhões de euros”, nota o Ministério da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior. Face a 2015, o aumento é de 19%.

Estes dados do IPCTN, da autoria da Direção-Geral de Estatísticas de Educação e Ciência, com base nas metodologias harmonizadas internacionalmente, são provisórios. Os resultados definitivos serão divulgados pela entidade após a validação final da operação estatística.

Mais investimento em I&D levou a mais emprego qualificado, diz Ministério

O aumento da despesa privada em I&D reflete o crescimento do emprego qualificado nas empresas e o esforço do setor privado em acompanhar o desenvolvimento científico e a capacidade tecnológica instalada em Portugal“, assinala o ministério no comunicado. Em números, havia 10 investigadores por 1.000 habitantes da população ativa em 2019, o que também é um máximo histórico.

Ao todo, estavam registados mais de 50 mil investigadores a tempo integral (ETI), mais 2.779 do que em 2018. Aqui o setor público sai a ganhar: “O ensino superior inclui 29.027 investigadores em ETI (eram 25.043 em 2015), representando cerca de 58% do total, enquanto as empresas incluem 19.283 investigadores em ETI (eram 11.785 em 2015), representando 38% do total”, explica o ministério tutelado por Manuel Heitor.

Incluindo não só investigadores como também técnicos e outros profissionais, o total de recursos humanos relacionados com atividades de investigação e desenvolvimento atingiu as 12 pessoas por cada 1.000 habitantes ativos, superando os 62 mil.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Investimento em inovação atinge máximo histórico de 1,4% do PIB em 2019 com impulso das empresas

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião