Portugal obtém taxas ainda mais negativas para emitir dívida de curto prazo. Juro foi de -0,501% a três meses

Agência liderada por Cristina Casalinho financiou-se em 1.250 milhões de euros em bilhetes do Tesouro com maturidade a três e 11 meses.

Portugal conseguiu juros negativos no duplo leilão de dívida de curto prazo. As taxas foram ainda mais baixas do que as registadas na operação comparável, realizada em junho, com o IGCP a captar o montante máximo previsto nesta emissão, de 1.250 milhões de euros, em pleno período de férias.

De acordo com dados da Reuters, a agência liderada por Cristina Casalinho financiou-se com uma taxa de -0,501% no prazo mais curto, a três meses, o que compara com os -0,48% da operação anterior. Nesta maturidade, o IGCP colocou 300 dos 1.250 milhões de euros de financiamento, tendo a procura superado a oferta em 3,93 vezes.

Nos bilhetes do Tesouro com o prazo de 11 meses, em que o IGCP colocou a maior “fatia” do montante previsto, num total de 900 milhões de euros, a agência registou um juro de -0,473%, também mais baixo do que o de -0,438% alcançado em junho.

Estes juros ainda mais negativos do que os registados nas anteriores emissões traduzem o comportamento da dívida pública nos mercados internacionais, com a procura a fazer subir o preço dos títulos e a afundar as taxas.

Esta realidade verifica-se tanto na dívida de curto prazo como nas obrigações do Tesouro, com prazos longos. Reflete o apetite dos investidores, mas também a atuação do Banco Central Europeu (BCE), que, em plena pandemia, lançou uma bazuca para comprar dívida de países do euro numa altura em que os diferentes estados são forçados a gastos avultados para darem resposta à crise sanitária.

A bazuca do BCE para combater o impacto do vírus na economia do euro já ficou com quase 9 mil milhões de euros em dívida portuguesa. A estas compras realizadas entre março e julho acrescem 2,7 mil milhões em obrigações do Tesouro que o BCE comprou desde o arranque do ano.

(Notícia atualizada às 10h46 com mais informação)

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história e às newsletters ECO Insider e Novo Normal.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

Portugal obtém taxas ainda mais negativas para emitir dívida de curto prazo. Juro foi de -0,501% a três meses

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião