Quais os distritos com os combustíveis mais baratos do país? E os mais caros?

Os hipermercados são os operadores do Sistema Petrolífero Nacional (SPN) com preços mais competitivos na gasolina e no gasóleo, seguindo-se as marcas low cost.

De acordo com a Entidade Nacional para o Setor Energético (ENSE), em junho o preço médio de venda ao público do gasóleo aumentou 4,8 cêntimos por litro (+4,12%) face ao mês anterior, enquanto na gasolina a subida foi de 8 cêntimos por litro (+6,12%). No entanto, olhando para trás um ano, até junho de 2019, os preços dos combustíveis estão agora mais baratos 16,3 cêntimos por litros (-11,8%) no gasóleo e 17,8 cêntimos (-11,4%) na gasolina.

Portugal foi, em junho de 2020, o 7º país dos 27 Estados-membros da União Europeia a registar o preço mais elevado no gasóleo (após impostos). Na gasolina é o 6º país a pagar mais, com impostos já incluídos. Na hora de abastecer o depósito, a maior fatia do valor paga pelo consumidor corresponde aos impostos, que na gasolina representam aproximadamente 66% do total da fatura, disparando para os 80% da fatura total no gasóleo.

Os hipermercados são os operadores do Sistema Petrolífero Nacional (SPN) com preços mais competitivos na gasolina (1,276 €/l) e no gasóleo (1,111 €/l), seguidos dos operadores que representam marcas low cost (1,339€/l e 1,167€/l) e dos postos de abastecimento que operam sob insígnia de uma companhia petrolífera (1,415 €/l e 1,249 €/l.).

Preço médio de venda ao público por distrito

Fonte: Argus, Balcão Único da Energia e ERSE

 

Embora com poucas diferenças, os preços médios da gasolinas 95 e do gasóleo simples revelam algumas diferenças regionais, diz o mais recente boletim de combustíveis da ERSE. – Entidade Reguladora dos seviços Energéticos.

Aveiro (1,376 €/l na gasolina e 1,209 €/ no gasóleo), Braga (1,382 €/l e 1,213 €/l), Santarém (1,380 €/l e 1,209 €/l), Castelo Branco (1,376 €/l e 1,213 €/l), Coimbra (1,380 €/l e 1,214 €/l) e Vila Real (1,391 €/ e 1,223 €/l) foram os distritos com gasolinas e gasóleos mais baratos em junho, em Portugal Continental.

No extremo oposto, Bragança (1,418 €/l e 1,246 €/l), Beja (1,404 €/l e 1,239 €/l), ) e Lisboa (1,403 €/l e 1,238 €/l) foram os distritos com os combustíveis rodoviários mais caros. E também onde foi maior a diferença entre o preço médio nacional e o preço médio nestes distritos portugueses.

Em mais de metade dos distritos, a diferença de preços médios por litro de combustível não ultrapassa os cinco cêntimos por litro.

Quanto custa fazer uma máscara? Quanto gasta cada família com as telecomunicações? Quanto cobra uma imobiliária para vender a casa? Ou qual a profissão mais bem paga do país? Durante todo o mês de agosto, e todos os dias, o ECO dá-lhe a resposta a esta e muitas outras questões num “Sabia que…”.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Quais os distritos com os combustíveis mais baratos do país? E os mais caros?

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião