Em quantos dias se esgotam os recursos naturais do planeta?

Em 2020, o Dia da Sobrecarga da Terra assinala-se hoje, a 22 de agosto, quase um mês mais tarde, já que o confinamento por causa da pandemia de Covid-19 travou as emissões poluentes.

Em 2019, o Dia da Sobrecarga da Terra (Earth Overshoot Day, no original, em inglês) chegou mais cedo do que nunca, a 29 de julho. A data assinala todos os anos o dia em que se esgotam os recursos naturais que o planeta Terra tem capacidade para renovar durante 12 meses.

Se em 2019 conseguimos esgotar estes recursos no tempo mais rápido de sempre, em cerca de 210 dias, este ano há boas notícias: vai demorar mais tempo e vão ser precisos cerca de 235 dias para gastar o saldo anual que o planeta nos dá.

De acordo com a Global Footprint Network (GFN), este ano o Dia da Sobrecarga da Terra é assinalado a nível global apenas este sábado, 22 de agosto, três semanas mais tarde do que no ano passado. É “uma consequência direta do confinamento provocado pelo coronavírus em todo o mundo”, refere a GFN, sublinhando que “a diminuição da extração de madeira (-8,4%) e das emissões de CO2 (-14,5%) resultantes da combustão de combustíveis fósseis são os principais motores por detrás da mudança histórica de trajetória”.

“A pandemia de Covid-19 fez com que a pegada ecológica da humanidade se contraísse, demonstrando que é possível mudar os padrões de consumo de recursos num curto período de tempo. No entanto, a verdadeira sustentabilidade, a que possibilita que todos prosperem na Terra, apenas poderá ser alcançada através da planificação e não da catástrofe”, pode ler-se no comunicado da GFN.

Em Portugal, o Dia da Sobrecarga da Terra foi já assinalado este ano a 25 de maio. A humanidade utiliza atualmente mais 60% do que aquilo que pode ser renovado –- o equivalente aos recursos de 1,6 planetas. Os portugueses sobem a parada com uma pegada ecológica de 2,52 planetas (os dados mais recentes da Global Footprint Network são de 2016). Por cá, o orçamento ecológico dura pouco, apenas 145 dias do ano.

Quanto custa fazer uma máscara? Quanto gasta cada família com as telecomunicações? Quanto cobra uma imobiliária para vender a casa? Ou qual a profissão mais bem paga do país? Durante todo o mês de agosto, e todos os dias, o ECO dá-lhe a resposta a esta e muitas outras questões num “Sabia que…”.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Em quantos dias se esgotam os recursos naturais do planeta?

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião