Substituir helicópteros para incêndios parados há dois anos já custa 12,6 milhões ao Estado

  • ECO
  • 22 Agosto 2020

Há seis aeronaves inoperacionais desde 2018. Para as substituir, escreve o Público, o Estado tem alugados três Kamov mais antigos durante o período mais crítico dos incêndios.

Há seis helicópteros Kamov parados, devido a avarias, desde janeiro de 2018, sendo que a Força Aérea, a Autoridade Nacional de Emergência e Proteção Civil e a Autoridade Nacional de Aviação Civil (ANAC) estão a avaliar desde então se compensar reparar os equipamentos. Os custos associados à situação atingem, até este ano, 12,6 milhões de euros, segundo noticia este sábado o Público (acesso pago).

Em causa estão seis aeronaves comprados em 2006 pelo Estado português e que estão inoperacionais. Para as substituir, escreve o diário, têm sido alugados três Kamov mais antigos durante pelo menos quatro meses, no período mais crítico dos incêndios rurais. Estes alugueres já custaram mais de 12,6 milhões de euros ao erário público e o contrato é válido até 2023. Ou seja, a despesa adicional deverá ser de, pelo menos, 13,4 milhões de euros.

Além do contrato de aluguer, também as reparações poderão vir a ser mais caras devido ao tempo de espera. “Devido ao tempo de imobilização dos equipamentos, poder-se-á antever que a generalidade dos componentes terá que sofrer revisão geral“, diz a Força Aérea ao Público. A ANAC acrescenta que “as condições de preservação de uma aeronave podem ter impacto no seu estado de conservação e na sua aeronavegabilidade, bem como na vida útil dos seus componentes”.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Substituir helicópteros para incêndios parados há dois anos já custa 12,6 milhões ao Estado

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião