Substituir helicópteros para incêndios parados há dois anos já custa 12,6 milhões ao Estado

  • ECO
  • 22 Agosto 2020

Há seis aeronaves inoperacionais desde 2018. Para as substituir, escreve o Público, o Estado tem alugados três Kamov mais antigos durante o período mais crítico dos incêndios.

Há seis helicópteros Kamov parados, devido a avarias, desde janeiro de 2018, sendo que a Força Aérea, a Autoridade Nacional de Emergência e Proteção Civil e a Autoridade Nacional de Aviação Civil (ANAC) estão a avaliar desde então se compensar reparar os equipamentos. Os custos associados à situação atingem, até este ano, 12,6 milhões de euros, segundo noticia este sábado o Público (acesso pago).

Em causa estão seis aeronaves comprados em 2006 pelo Estado português e que estão inoperacionais. Para as substituir, escreve o diário, têm sido alugados três Kamov mais antigos durante pelo menos quatro meses, no período mais crítico dos incêndios rurais. Estes alugueres já custaram mais de 12,6 milhões de euros ao erário público e o contrato é válido até 2023. Ou seja, a despesa adicional deverá ser de, pelo menos, 13,4 milhões de euros.

Além do contrato de aluguer, também as reparações poderão vir a ser mais caras devido ao tempo de espera. “Devido ao tempo de imobilização dos equipamentos, poder-se-á antever que a generalidade dos componentes terá que sofrer revisão geral“, diz a Força Aérea ao Público. A ANAC acrescenta que “as condições de preservação de uma aeronave podem ter impacto no seu estado de conservação e na sua aeronavegabilidade, bem como na vida útil dos seus componentes”.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Substituir helicópteros para incêndios parados há dois anos já custa 12,6 milhões ao Estado

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião