Steve Bannon diz que está a ser vítima de “uma cabala política”

  • Lusa
  • 22 Agosto 2020

Steve Bannon, o ex-estratega político do Presidente Donald Trump, declarou na sexta-feira que está a ser vítima de uma “cabala política”, após ter sido detido na quinta-feira.

Steve Bannon, o ex-estratega político do Presidente Donald Trump, declarou na sexta-feira que está a ser vítima de uma “cabala política”, após ter sido detido na quinta-feira por suspeita de desvio de milhares de dólares de fundos doados. Bannon, acusado de desvio de dinheiro para a construção de um muro entre os Estados Unidos e o México, foi libertado no mesmo dia da detenção, após pagar fiança.

Todo o mundo sabe que não sou do tipo que desiste”, disse o ex-assessor de Trump no seu podcast “War Room”. “Estou pronto para aguentar o tempo que for preciso. Vou continuar a lutar“, insistiu.

Bannon, próximo da extrema-direita, disse no seu podcast que a sua prisão tinha o objetivo de “intimidar as pessoas” que apoiam o muro anti-imigração prometido por Donald Trump durante sua bem-sucedida campanha eleitoral de 2016.

Bannon, que se declarou inocente, saiu do tribunal de Manhattan, Nova Iorque, ao final da tarde de quinta-feira, onde era aguardado por dezenas de jornalistas e cidadãos, que gritaram “onde está o dinheiro?”.

O antigo conselheiro de Trump foi detido no Connecticut (nordeste dos Estados Unidos), a bordo de um iate do milionário chinês Guo Wengui, por suspeitas de ter desviado centenas de milhares de dólares de uma campanha de angariação de fundos para a construção de um muro na fronteira dos Estados Unidos com o México.

O juiz Stewart Aaron fixou-lhe uma fiança de 5 milhões de dólares (4,2 milhões de euros), 1,75 milhões de dólares (1,4 milhões de euros) dos quais em dinheiro ou propriedades, e proibiu-o de sair do país ou viajar em aviões ou embarcações privadas sem autorização expressa do tribunal.

Até à próxima audiência, marcada para 31 de agosto, Bannon tem ainda de suspender a angariação de fundos que empreendeu com três colaboradores – Brian Kolfage, Andrew Badolato e Timothy Shea -, igualmente detidos e acusados.

Segundo a acusação, Bannon e os colaboradores montaram um esquema para desviar dinheiro recolhido através da campanha “We Build The Wall” (“Nós Construímos o Muro”), que reuniu mais de 25 milhões de dólares (21,1 milhões de euros). A campanha prometia que a totalidade dos fundos angariados financiariam a construção do muro, principal promessa eleitoral do Presidente, mas, segundo a acusação, a promessa era “falsa”.

“Na realidade […] os acusados receberam coletivamente centenas de milhares de dólares que usaram de forma inconsistente em manifestações públicas da organização”, segundo a procuradoria.

O polémico antigo colaborador de Donald Trump, que abandonou a administração norte-americana em 2017 e colaborou com movimentos de extrema-direita em vários países, designadamente na Europa, é acusado de conspiração para fraude eletrónica e conspiração para branqueamento de dinheiro, puníveis com até 20 anos de prisão cada um.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Steve Bannon diz que está a ser vítima de “uma cabala política”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião