Alemanha regista défice equivalente a 3,2% do PIB no primeiro semestre

  • Lusa
  • 25 Agosto 2020

Destatis reviu a contração da economia alemã no segundo trimestre, passando de uma queda de 10,1% - anunciada a partir de dados preliminares a 30 de julho -, para 9,7%.

A Alemanha registou no primeiro semestre do ano um défice equivalente a 3,2% do Produto Interno Bruto (PIB) devido à crise causada pela pandemia de Covid-19, informou o Gabinete Federal de Estatística (Destatis).

O conjunto das administrações centrais, regionais e locais, mais o fundo de segurança social, gastaram nesse período 51,6 mil milhões de euros a mais do que o valor arrecadado.

Em comparação, no primeiro semestre de 2019 o Estado alemão obteve um excedente de 46.500 milhões de euros.

A Destatis também reviu a contração da economia alemã no segundo trimestre, passando de uma queda de 10,1% – anunciada a partir de dados preliminares a 30 de julho -, para 9,7%.

Apesar da atualização, continua a ser a maior queda registada do PIB alemão num trimestre desde que as estatísticas começaram a ser publicadas em 1970.

A contração foi tão grande que o PIB alemão era, no final do segundo trimestre, 11,3% inferior ao do ano anterior (uma vez eliminadas as distorções de calendário e de preços).

O Destatis destacou em comunicado a “queda massiva da demanda doméstica e internacional”.

No segundo trimestre, o consumo privado cedeu 10,9% face ao primeiro; o investimento em bens de capital baixou 19,6% e a construção também caiu, embora de forma mais moderada, 4,2%.

O comércio externo, um dos pilares daquela que é a primeira economia europeia, também sofreu durante a pandemia. No segundo trimestre, as exportações caíram 20,3% em relação ao primeiro, enquanto as importações contraíram 16%.

O Governo alemão estimou que o PIB se contraia 6,3% este ano, enquanto o Bundesbank aponta para uma queda de 7%.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Alemanha regista défice equivalente a 3,2% do PIB no primeiro semestre

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião