Providência contra a Festa do Avante! não tem “fundamento”. PCP fala em “campanha reaccionária contra a Festa”

Comunistas falam em "operação anti-democrática" para criticar quem está a tentar impedir a realização da Festa do Avante!.

O PCP considera que a providência cautelar para travar a Festa do Avante! é “desprovida de qualquer fundamento” e fala em “operação anti-democrática” para criticar quem está a tentar impedir a realização do evento.

“A providência cautelar agora divulgada é desprovida de qualquer fundamento só justificável pelo que visa de animação artificial da campanha reacionária contra a Festa do Avante!”, referem os comunistas, depois de ter sido interposta uma providência cautelar para impedir a realização da Festa do Avante!. A ação partiu do presidente do Palmelense Futebol Clube, Carlos Valente, que é também fornecedor de equipamento para festivais e discotecas.

Numa nota enviada aos jornais, o PCP diz que é falso o argumento de que os festivais estejam proibidos, “como aliás se pode constatar com os inúmeros eventos que se estão a realizar por todo o país”, lembrando a lei em vigor.

"A providência cautelar agora divulgada é desprovida de qualquer fundamento só justificável pelo que visa de animação artificial da campanha reacionária contra a Festa do Avante!”

PCP

Os comunistas falam ainda em operação para impedir a realização da Festa do Avante!, a qual “foi derrotada”. “Impõe-se agora que cada um dos que não prescindem do exercício de direitos políticos e liberdades, faça da sua presença numa Festa onde estão garantidas condições de segurança e tranquilidade, a resposta a essa operação anti-democrática contra a liberdade, a cultura e os direitos dos trabalhadores e do povo”, sublinha o PCP.

A Festa do Avante! é organizada pelo PCP e realiza-se todos os anos na Quinta da Atalaia, Seixal. A edição deste ano terá lugar entre os dias 4 e 6 de setembro.

Um dos maiores críticos da realização do evento tem sido o presidente do PSD. Rui Rio já disse que não faz sentido juntar 33 mil pessoas por dia na Quinta da Atalaia numa altura em que o país enfrenta uma pandemia do novo coronavírus.

(Notícia atualizada às 13h14)

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Providência contra a Festa do Avante! não tem “fundamento”. PCP fala em “campanha reaccionária contra a Festa”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião