Administrações da Sonae Capital e Indústria dão ok a preço das OPA

Ambos Conselhos de Administração pronunciaram-se esta quinta-feira sobre a oferta pública de aquisição lançada pela holding da família Azevedo. O prémio oferecido em pandemia é a razão para o aval.

Tanto o Conselho de Administração da Sonae Capital como da Sonae Indústria veem dão o aval ao preço oferecido na oferta pública de aquisição (OPA) dupla lançada pela holding da família Azevedo, a Efanor. Os dois pareceres foram comunicados esta quinta-feira à Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM).

“No que diz respeito ao valor da contrapartida, o Conselho de Administração considera-o justificável e passível de ser aceite pelos senhores acionistas, nomeadamente, tendo em consideração o forte impacto que a pandemia Covid-19 está a ter no mercado de capitais e, consequentemente, nas valorizações dos negócios e ativos imobiliários em posse da Sonae Capital”, diz a gestão da empresa.

A 31 de julho que a holding Efanor Investimentos fez o anúncio preliminar de duas ofertas públicas gerais e voluntárias: uma sobre a Sonae Capital e outra sobre a Sonae Indústria. No caso da Sonae Capital, o grupo oferece uma contrapartida a pagar em numerário de 70 cêntimos por ação, o que representa um prémio de cerca de 46,8% face ao preço das ações antes do anúncio. O objeto da OPA são os cerca de 37,2% de capital da Sonae Capital que a Efanor e empresas associadas ainda não controlam.

“Face à informação disponibilizada ao Conselho de Administração da Sonae Capital, conclui-se que é objetivo da Oferente manter o plano estratégico existente, não se antevendo quaisquer impactos na esfera dos trabalhadores, posição financeira ou demais stakeholders“, aponta. Os administradores acrescentam que, mesmo que a oferta não tenha sucesso (o que resultaria na saída de bolsa), “poderá em qualquer caso haver um reforço da posição” da Efanor.

"Face à informação disponibilizada ao Conselho de Administração da Sonae Capital, conclui-se que é objetivo da Oferente manter o plano estratégico existente, não se antevendo quaisquer impactos na esfera dos trabalhadores, posição financeira ou demais stakeholders.”

Conselho de Administração

Sonae Capital

Já no caso da Sonae Indústria, o objeto da OPA são os 31,4% de capital que a Efanor e empresas associadas ainda não controlam. Para isso, o grupo oferece uma contrapartida a pagar em numerário de 1,14 euros por ação, o que representa um prémio de cerca de 77%. Também neste caso o parecer é positivo.

“O entendimento do Conselho de Administração é de que, face à informação existente sobre a Sociedade e a atual situação financeira e perspetivas de mercado da Sonae Indústria, a contrapartida da Oferta e as suas condições afiguram‐se justas e adequadas“, diz a gestão da empresa, num comunicado distinto.

O prémio e o facto de não ser devido prémio de controlo porque o grupo já detém o controlo acionista da Sonae Indústria são duas das razões que sustentam as conclusões da administração. Em simultâneo, refere ainda que “os planos estratégicos da Oferente para a Sonae Indústria aparentam estar alinhados com os objetivos estratégicos“, não se prevendo “alterações materiais da situação atual dos trabalhadores, clientes e fornecedores”.

"Tendo em consideração as desafiantes condições económicas a médio prazo, que foram significativamente agravadas pela crise causada pela pandemia da Covid‐19, uma Oferta bem‐sucedida é uma forma de obter a estabilidade financeira necessária para a Sonae Indústria, permitindo‐lhe retomar os seus objetivos estratégicos de médio e longo prazo.”

Conselho de Administração

Sonae Indústria

“Atendendo aos constrangimentos relativos à estrutura de capital, liquidez e requisitos de refinanciamento da Sonae Indústria, e tendo em consideração as desafiantes condições económicas a médio prazo, que foram significativamente agravadas pela crise causada pela pandemia da Covid‐19, uma Oferta bem‐sucedida é uma forma de obter a estabilidade financeira necessária para a Sonae Indústria, permitindo‐lhe retomar os seus objetivos estratégicos de médio e longo prazo“, acrescenta.

Tendo sucesso, a holding Efanor vai gastar 65 milhões de euros para ficar com a Sonae Capital e mais 16,2 milhões pela Sonae Capital. Contas feitas, as duas operações poderão representar um investimento global superior a 82 milhões de euros. Ambas têm, no entanto, uma cláusula de sucesso fixada em “mais de 90%” do capital das empresas e, caso se concretizem, tanto a Sonae Indústria como a Sonae Capital deixarão de estar cotadas na bolsa de Lisboa.

(Notícia atualizada às 22h40)

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Administrações da Sonae Capital e Indústria dão ok a preço das OPA

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião