OPA a dobrar. Holding da família Azevedo lança ofertas sobre Sonae Capital e Sonae Indústria

A Efanor Investimentos anunciou duas OPA, uma sobre a Sonae Capital e outra sobre a Sonae Indústria. No total, pode gastar 81,2 milhões de euros com as duas operações.

A Efanor Investimentos, holding da família Azevedo, lançou duas ofertas públicas gerais e voluntárias sobre a Sonae Capital e sobre a Sonae Indústria.

No caso da Sonae Capital, o grupo oferece uma contrapartida “a pagar em numerário” de 70 cêntimos por ação, o que representa um prémio de cerca de 46,8% face ao preço das ações a 30 de julho, de acordo com o anúncio preliminar publicado esta sexta-feira na CMVM.

O objeto da OPA são os cerca de 37,2% de capital da Sonae Capital que a Efanor e empresas associadas ainda não controlam. Tendo sucesso, a Efanor vai gastar um total de 65 milhões de euros, de acordo com cálculos do ECO.

Já no caso da Sonae Indústria, o grupo oferece uma contrapartida “a pagar em numerário” de 1,14 euros por ação, o que representa um prémio de cerca de 77% face ao preço das ações a 30 de julho, de acordo com o anúncio preliminar também publicado na CMVM.

O objeto da OPA são os 31,4% de capital da Sonae Indústria que a Efanor e empresas associadas ainda não controlam. Tendo sucesso, a Efanor vai gastar um total de 16,2 milhões de euros, de acordo com cálculos do ECO.

Contas feitas, as duas operações poderão representar um investimento global superior a 82 milhões de euros. Ambas as ofertas encontram-se sujeitas à obtenção do registo prévio das ofertas junto da CMVM e têm uma cláusula de sucesso fixada em “mais de 90%” do capital das empresas.

Tendo sucesso, tanto a Sonae Indústria como a Sonae Capital deixarão de estar cotadas na bolsa de Lisboa, sendo que esta última está incluída no principal índice nacional, o PSI-20.

(Notícia atualizada pela última vez às 19h45)

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

OPA a dobrar. Holding da família Azevedo lança ofertas sobre Sonae Capital e Sonae Indústria

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião