“Agosto será um mês normal”. Vista Alegre sai do lay-off e não recorre ao apoio à retoma progressiva

A Vista Alegre já nota sinais de recuperação e acredita que agosto será "um mês normal e completo de atividade". Sai do lay-off simplificado e não vai recorrer ao apoio desenhado como "sucedâneo".

Apesar da incerteza trazida pela pandemia de coronavírus, a Vista Alegre já nota “sinais de recuperação gradual” da sua atividade, estando a preparar-se para sair do lay-off simplificado. Em comunicado enviado à Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM), a empresa sinaliza que não irá recorrer ao novo apoio à retoma progressiva — o “sucedâneo” do lay-off simplificado — e diz acreditar que agosto será “um mês normal e completo de atividade”.

“Apesar das circunstâncias excecionais que se vivem e do cenário de incerteza no contexto da pandemia Covid-19, têm-se verificado sinais de recuperação gradual da atividade da Vista Alegre Atlantis (VAA) como comunicado ao mercado em 10 de julho de 2020, em particular com relação ao volume de negócios do mês de junho de 2020 superior em cerca de 6% ao verificado no período homólogo“, explica a empresa, esta sexta-feira.

Apesar de sublinhar que as medidas de combate à crise pandémica continuam a “condicionar o funcionamento da rede de retalho”, a Vista Alegre adianta que todas as suas unidades produtivas irão retomar a atividade em pleno a partir de agosto, deixando a empresa de “recorrer a quaisquer medidas de lay-off“. Ou seja, além de deixar o lay-off simplificado — regime a que aderiu em abril –, também não irá aderir ao apoio à retoma progressiva, medida desenhada como sucedâneo do apoio referido e que permite a redução dos horários de trabalho.

“Com a antecipação do período de férias que levou ao encerramento temporário da atividade entre 23 de março e 9 de abril de 2020, com a paragem da atividade de produção em Portugal e da atividade comercial nos diversos mercados em que está presente, o mês de agosto será um mês normal e completo de atividade para o grupo VAA”, antecipa ainda a Vista Alegre.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

“Agosto será um mês normal”. Vista Alegre sai do lay-off e não recorre ao apoio à retoma progressiva

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião