Fed muda estratégia para a inflação. Wall Street mantém rally

A Reserva Federal norte-americana aprovou uma revisão da estratégia, passando a ter como objetivo a taxa média de inflação. Em Wall Street, os recordes continuam.

As mudanças na estratégia da Reserva Federal norte-americana, que fixou o objetivo de ter uma inflação média de 2%, animaram Wall Street na penúltima sessão da semana. Enquanto o presidente da Reserva Federal norte-americana, Jerome Powell, discursa na abertura de Jackson Hole, explicando a revisão feita pelo banco central, as ações sobem nas bolsas norte-americanas.

A Reserva Federal norte-americana aprovou por unanimidade, esta quinta-feira, uma nova estratégia que tolere desvios na inflação. A meta é que esta se situe, em média, nos 2% — ou seja, tolerando subidas ou descidas temporárias — pois a inflação persistentemente baixa é um “motivo de preocupação” que pode representar riscos sérios para a economia, explicou Jerome Powell.

Desta forma, após períodos em que a inflação fica abaixo dos 2%, poderá ficar “moderadamente” acima desta marca, para depois atingir a média desejada. Com esta estratégia, a Fed não antecipa alterações aos juros, que estão atualmente próximos de 0%, nos próximos tempos.

A Fed continuará igualmente focada no objetivo de pleno emprego e o banqueiro central sublinhou até que, apesar do fim do maior crescimento económico do país (com o PIB a afundar 32%), o mercado de trabalho tem mantido a resiliência. Powell adiantou também que o banco central vai fazer revisões regulares da política monetária aproximadamente a cada cinco anos.

Perante estas notícias, o S&P 500 abriu a ganhar 0,18% para os 3.485,14 pontos, enquanto o tecnológico Nasdaq soma 0,20%, para 11.688,20 pontos, máximos de abertura. Já o industrial Dow Jones avança 0,18% para 28.384,07 pontos.

Nos ganhos, destaca-se o setor bancário. A JP Morgan avança 2% para os 101,06 dólares, o Citigroup soma 1,42% para os 51,57 dólares e o Bank of America ganha 1,60% para os 25,96 dólares.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Fed muda estratégia para a inflação. Wall Street mantém rally

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião