TAP representa 3% dos voos no Porto, 15% em Lisboa

  • Lusa
  • 30 Agosto 2020

Companhia aérea portuguesa representou apenas 3% dos movimentos registados no Aeroporto Francisco Sá Carneiro. Peso caiu também a pique em Lisboa.

A representatividade da TAP no total dos movimentos do Aeroporto Francisco Sá Carneiro, Porto, caiu para 3%, no segundo trimestre, contra 25% no mesmo período de 2019, passando de segunda para oitava maior companhia, segundo dados da ANAC.

De acordo com o Boletim Estatístico Trimestral da Autoridade Nacional da Aviação Civil (ANAC), no aeroporto do Porto, a TAP representou apenas 3% dos movimentos registados no período em análise, passando do segundo para oitavo lugar na lista das 10 maiores companhias a operar naquela infraestrutura, ficando atrás da Federal Express Corporation (18%), Star Air (14%), European Air Transport Leipzig (13%), Ryanair (10%), Swiss International Air Liens (8%), Deutsche Lufthansa (4%) e Luxair (4%).

Também no Aeroporto Humberto Delgado, na Portela, Lisboa, o número de movimentos da TAP no total da operação baixou de 54% no segundo trimestre de 2019, para 15% no mesmo período deste ano, mantendo-se, porém, em primeiro lugar na lista das 10 maiores companhias.

Em segundo lugar, manteve-se a Ryanair com os mesmos 9% também registados entre abril e junho de 2019.

No caso do aeroporto de Faro, onde a companhia aérea portuguesa representou 7% do total de movimentos no segundo trimestre de 2019, este ano nem sequer entra na lista das 10 maiores companhias (4.º lugar no mesmo período do ano passado).

No Aeroporto de Ponta Delgada João Paulo II, nos Açores, a transportadora passou de representar 9% dos movimentos no segundo trimestre de 2019, para 6% no mesmo trimestre deste ano, mantendo-se como terceira maior companhia naquele aeroporto, a seguir à SATA Air Açores e à SATA Internacional.

Apenas no Aeroporto Internacional da Madeira Cristiano Ronaldo, no Funchal, aumentou a representatividade da TAP no total dos movimentos no segundo trimestre, passando de 27% para 28%.

No entanto, neste último, a TAP deixou de ser a maior companhia aérea, passando para segundo lugar, a seguir à Swiftair (30%).

O Conselho de Ministros aprovou em 17 de julho a concessão de um empréstimo de até 1.200 milhões de euros à TAP, em conformidade com a decisão da Comissão Europeia.

Além do empréstimo remunerado a favor do Grupo TAP de 946 milhões, ao qual poderão acrescer 254 milhões, sem que, contudo, o Estado se encontre vinculado à sua disponibilização, as negociações tinham em vista a aquisição, por parte do Estado português, “de participações sociais, de direitos económicos e de uma parte das prestações acessórias da atual acionista da TAP SGPS, Atlantic Gateway, SGPS, Lda.”.

Desta forma, o Estado português passa a deter uma participação social total de 72,5% e os correspondentes direitos económicos na TAP SGPS, pelo montante de 55 milhões de euros.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

TAP representa 3% dos voos no Porto, 15% em Lisboa

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião