Advogados com “cerco mais apertado” à lavagem de dinheiro. Sociedades preparadas

Branqueamento de capitais e financiamento de terrorismo eram já preocupações das firmas de advogados antes da nova lei da OA. Ainda assim, entre 2017 e 2019 apenas cinco denúncias foram feitas.

O dever dos advogados denunciarem casos suspeitos de lavagem de dinheiro não é de agora, mas com o novo regulamento da Ordem dos Advogados (OA) as firmas viram reforçados os deveres nesta matéria, como a cooperação, abstenção e identificação. À Advocatus, os escritórios de advogados garantem que já controlavam as operações suspeitas de branqueamento de capitais e financiamento de terrorismo.

Tanto na PLMJ, como na Abreu Advogados, Vieira de Almeida (VdA) e Morais Leitão, existem há vários anos advogados destacados para “fiscalizar” casos duvidosos. Ainda assim raramente os advogados denunciam casos suspeitos. Entre 2017 e 2019 apenas foram recebidas pela OA cinco denúncias.

Na firma liderada por Luís Pais Antunes e Bruno Ferreira, a PLMJ, desde 2018 que foi implementado um sistema de compliance interno que está a cargo de Nuno Castelhanito, general counsel & head of compliance. “Este advogado tem como obrigação garantir, em articulação com o conselho de administração, o cumprimento do quadro normativo vigente, e, bem assim, desempenhar o papel de interlocutor junto da OA”, refere Castelhanito.

Também a VdA possui um general counsel, desde 2017, que zela pelo cumprimento dos deveres de prevenção do branqueamento de capitais e financiamento do terrorismo a que os advogados estão adstritos. “O exercício desta função tem sido, ao longo dos anos, complementado com formações específicas e com um forte investimento em sofisticadas ferramentas e recursos técnicos de apoio ao exercício da função, que continuará a desempenhar”, refere fonte oficial da firma à Advocatus.

"O regulamento só é o mecanismo mais adequado se for visto sempre em conjunto com a lei.”

Nuno Castelhanito

General counsel & head of compliance da PLMJ

“Também já antes desta regulamentação da OA, a sociedade tinha, além de um membro do seu conselho de administração diretamente responsável por estas matérias, advogados designados para as funções em causa, e até uma comissão destinada a acompanhar estas matérias na sociedade e junto de cada advogado. O que o regulamento da Ordem estipula já estava pois em aplicação na sociedade, desde há algum tempo”, nota Rui Patrício, sócio da Morais Leitão.

Mas apesar de desde cedo existir a preocupação, no âmbito destas matérias, por parte das firmas, a verdade é que as denúncias feitas à OA têm sido muito poucas. À Advocatus, o bastonário dos advogados explicou que no mandato anterior, de Guilherme Figueiredo entre 2017 e 2019, apenas foram recebidas cerca de cinco denúncias. Ainda assim, “nos primeiros seis meses deste mandato já ultrapassámos esse número”, referiu o líder dos cercas de 32 mil advogados.

Luís Menezes Leitão, bastonário da Ordem dos Advogados, em entrevista ao ECO/Advocatus - 07JAN20
Luís Menezes Leitão, bastonário da Ordem dos AdvogadosHugo Amaral/ECO

O novo regulamento da OA veio facilitar o cumprimento das obrigações legais por parte dos advogados que decorriam da Lei n.º 83/2017, de 18 de agosto – lei de combate ao branqueamento de capitais e ao financiamento do terrorismo. A partir do dia 11 de setembro, os advogados tem de passar a comunicar as operações que considerem suspeitas ao bastonário, que posteriormente reporta a situação ao Departamento Central de Investigação e Ação Penal e à Unidade de Informação Financeira da Polícia Judiciária

Entre as operações suscetíveis de denúncia por parte dos advogados estão as de compra e venda de imóveis, gestão de fundos e valores mobiliários, abertura e gestão de contas bancárias, ou até as de criação, constituição, exploração ou gestão de empresas.

Devido à carteira de clientes internacionais, Duarte de Athayde, managing partner da Abreu Advogados, assegura que a preocupação de controlo de segurança existe na firma há vários anos. “Ao responsável pela monitorização da conformidade cabem as tarefas de articulação interna entre os vários departamentos e as entidades competentes, num trabalho de diagnóstico, observação, preparação e implementação de medidas concretas de prevenção do risco”, conta.

Para as firmas, a nova regulamentação é “fundamental” para que sejam assegurados os deveres dos profissionais. “O regulamento só é o mecanismo mais adequado se for visto sempre em conjunto com a lei, mas tem a vantagem de clarificar e atribuir segurança e certeza jurídicas ao papel que o advogado deve desempenhar enquanto entidade obrigada ao cumprimento de certos deveres jurídicos em matéria de prevenção do branqueamento de capitais e do financiamento do terrorismo”, explica o general counsel & head of compliance da PLMJ.

Uma linha ténue com o dever de sigilo

Ainda assim, existe uma linha ténue que separa este dever de denúncia do dever de sigilo profissional a que os advogados estão sujeitos. O managing partner da Abreu Advogados espera que a aplicação destas medidas não “destrua o segredo profissional”, pois considera ser um “princípio essencial no qual assenta a relação de confiança que tem de existir entre cliente e advogado”.

“De acordo com o regulamento, o regime do segredo profissional funciona apenas como delimitador, pelo que o dever de manutenção do sigilo profissional cessa quando se verificarem algumas das situações nele taxativamente previstas. Contudo, o advogado mantém-se obrigado ao dever de sigilo relativamente a diversas atividades, nomeadamente no âmbito do patrocínio forense”, refere Duarte de Athayde.

Mas para Nuno Castelhanito, o regulamento vem reforçar o dever de sigilo profissional na relação dos advogados com os seus clientes. “Prevendo e limitando expressamente o âmbito de atuação que fica excluído do cumprimento de certos deveres em matéria de prevenção e combate ao branqueamento de capitais e do financiamento do terrorismo”, acrescenta o general counsel & head of compliance da PLMJ.

"O regime do segredo profissional funciona apenas como delimitador, pelo que o dever de manutenção do sigilo profissional cessa quando se verificarem algumas das situações nele taxativamente previstas.”

Duarte de Athayde

Managing partner da Abreu Advogados

Face à complexidade e densidade das matérias em causa, as sociedades de advogados preveem que venham ainda a existir novos mecanismos de forma a permitir reforçar as medidas de prevenção. “A dinâmica dos negócios, da sua forma de concretização e a evolução acelerada da tecnologia têm ditado, e continuarão a ditar, a necessidade de evolução das normas no sentido de se adaptarem às novas realidades”, refere fonte oficial da VdA.

“Infelizmente, a criminalidade organizada apresenta-se cada vez mais sofisticada e inventiva pelo que as formas e técnicas utilizadas para o branqueamento de capitais e o financiamento do terrorismo são, também elas, cada vez mais sofisticadas e de difícil deteção”, nota o advogado da PLMJ.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Advogados com “cerco mais apertado” à lavagem de dinheiro. Sociedades preparadas

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião