Ordem dos Advogados já recebeu mais denúncias de lavagem de dinheiro em seis meses que em todo o mandato anterior

Os advogados vão passar a denunciar à OA as operações suspeitas de lavagem de dinheiro já em setembro. Menezes Leitão assegura que as denúncias recebidas já passaram as do mandato anterior.

O novo regulamento da Ordem dos Advogados (OA) sobre a prevenção de branqueamento de capitais e financiamento de terrorismo ainda não entrou em vigor, mas as denúncias feitas já superaram as do mandato anterior, avançou o bastonário, Luís Menezes Leitão, à Advocatus/ECO.

“Em todo o mandato anterior, a Ordem dos Advogados recebeu apenas cinco denúncias. Nos primeiros seis meses deste mandato já ultrapassámos esse número“, explicou o líder dos cercas de 32 mil advogados. Para o bastonário este regulamento, que entra em vigor a 11 de setembro, vai apenas permitir que a lei seja “efetivamente aplicada” e possibilita que os advogados conheçam as suas obrigações.

Este mecanismo, publicado em Diário da República na passada sexta-feira, tem como objetivo facilitar o cumprimento das obrigações legais por parte dos advogados que decorriam da Lei n.º 83/2017, de 18 de agosto – lei de combate ao branqueamento de capitais e ao financiamento do terrorismo.

Com o novo diploma, os advogados vão ter de passar a comunicar operações que considerem suspeitas ao bastonário da OA, que posteriormente reporta a situação ao Departamento Central de Investigação e Ação Penal e à Unidade de Informação Financeira da Polícia Judiciária.

“A lei refere que as denúncias têm que ser comunicadas às entidades competentes pelo bastonário, sem qualquer filtragem, e é exatamente isso o que fazemos quando recebemos as denúncias”, referiu Menezes Leitão.

Entre as operações suscetíveis de denúncia por parte dos advogados estão as de compra e venda de imóveis, gestão de fundos e valores mobiliários, abertura e gestão de contas bancárias, ou até as de criação, constituição, exploração ou gestão de empresas.

Ao abrigo deste regulamento, os advogados passam a estar sujeitos aos deveres de identificação, exame e diligência, comunicação de operações suspeitas, abstenção, cooperação e conservação e arquivo. Para tal o Conselho Geral da OA e a Comissão Nacional de Estágio e Formação vão administrar um formação inicial, que é transversal a todos os profissionais e não apenas aos que vão deter o novo cargo de supervisão dentro das firmas.

“A violação das regras previstas na Lei n.º 83/2017, é punível com as coimas descritas no art. 170º do mesmo diploma. Para além disso, poderá a situação ser considerada infração disciplinar nos termos do art. 88º do EOA”, explicou o bastonário da OA. Ou seja, os advogados que ocultem ou desrespeitem as novas regras podem ter que pagar multas que oscilam entre os 2.500 euros e os 5.000.000 euros.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Ordem dos Advogados já recebeu mais denúncias de lavagem de dinheiro em seis meses que em todo o mandato anterior

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião