Governo prorroga interdição aos cruzeiros até 15 de setembro

  • Lusa
  • 31 Agosto 2020

A interdição do desembarque e licenças para terra de passageiros e tripulações dos navios de cruzeiro nos portos nacionais vai ser novamente prolongada pelo Governo.

O Governo vai publicar esta terça-feira um diploma que prorroga, até 15 de setembro, a interdição do desembarque e licenças para terra de passageiros e tripulações dos navios de cruzeiro nos portos nacionais, que terminava esta segunda-feira.

Segundo fonte oficial do Ministério das Infraestruturas e Habitação, um de vários responsáveis por este documento, a prorrogação irá assim prologar-se por mais duas semanas, como aliás tem acontecido desde meados de março.

O último despacho produzia efeitos a partir de 16 de agosto e terminava esta segunda-feira, tendo sido emitido pelos Ministérios da Defesa Nacional, Administração Interna, Saúde e Infraestruturas e Habitação.

Esta interdição, tendo em conta a situação gerada pela covid-19, aplica-se ao “desembarque e licenças para terra de passageiros e tripulações dos navios de cruzeiro nos portos nacionais”, não abrangendo cidadãos nacionais ou titulares de autorização de residência em Portugal, de acordo com o primeiro despacho, de 13 de março.

“Os navios de cruzeiro estão autorizados a atracar nos portos nacionais para abastecimento e manutenção”, lê-se neste diploma, que esclarece ainda que pode ser validado “o desembarque em casos excecionais, mediante autorização da autoridade de saúde”.

Houve vários surtos em navios de cruzeiro desde o início da pandemia, tendo as empresas praticamente paralisado a sua atividade.

A pandemia de covid-19 já provocou pelo menos 847.071 mortos e infetou mais de 25,2 milhões de pessoas em 196 países e territórios, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP.

Em Portugal, morreram 1.822 pessoas das 58.012 confirmadas como infetadas, de acordo com o boletim mais recente da Direção-Geral da Saúde. A doença é transmitida por um novo coronavírus detetado no final de dezembro, em Wuhan, uma cidade do centro da China.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Governo prorroga interdição aos cruzeiros até 15 de setembro

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião