Cristina Ferreira, Tony Carreira e Abrunhosa entre os novos donos da TVI

A Prisa vendeu a totalidade da participação na TVI a um conjunto de investidores portugueses, entre os quais estão empresários e figuras como Cristina Ferreira, Tony Carreira e Pedro Abrunhosa.

Os espanhóis da Prisa controlavam a TVI desde 2005 e agora, em 2020, a dona da TVI voltará a ser controlada por portugueses. A Prisa ignorou a OPA da Cofina e anunciou acordos de venda da totalidade dos 64,47% do capital a um conjunto de investidores por cerca de 36,8 milhões de euros, e o ECO sabe que entre os novos donos estão empresários como Luís Guimarães (Polopique), Avelino Gaspar (Lusiaves) e figuras como Pedro Abrunhosa, Tony Carreira ou a própria Cristina Ferreira.

Com esta operação, que leva à saída da Prisa do capital da dona da TVI, a estrutura acionista da Media Capital deixará de ter um acionista de controlo, e passará a ter um núcleo superior a 10 investidores. Mário Ferreira mantém-se com 30% do capital, mas continuará a não ter poder de domínio ou de mudança de administração.

Após esta venda da Prisa, que tem de passar ainda pela aprovação dos credores do grupo espanhol, o segundo maior acionista será o grupo Triun, liderado por Paulo Gaspar, revelou o Expresso. O semanário adianta ainda que João Serrenho, dono da CIN, será outro dos novos acionistas da Media Capital. Luís Guimarães, da Polopique, e o grupo IGB, revela também o Expresso, estão na lista dos investidores que entram na Media Capital.

Haverá ainda outro grupo de investidores com mais de 12%, que conta com o cantor e produtor musical Tony Carreira, segundo apurou o ECO. Mas há pelo menos outro nome do espetáculo: Pedro Abrunhosa também assinou um contrato-promesssa com a Prisa para a aquisição de 2% da Media Capital a pouco mais de 67 cêntimos por ação.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Cristina Ferreira, Tony Carreira e Abrunhosa entre os novos donos da TVI

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião