Parfois com novo centro logístico na Feira para distribuição mundial das vendas online

  • Lusa
  • 7 Setembro 2020

O novo espaço da Parfois está instalado no Centro Empresarial da Feira, e ocupa um recinto com mais de 4.200 metros quadrados, destinado a armazenar e a distribuir os artigos através do online.

A marca portuguesa Parfois tem um novo centro logístico em Santa Maria da Feira, revelou esta segunda-feira a direção do equipamento que agora concentra a distribuição mundial das vendas de internet dessa fabricante de acessórios de moda e vestuário.

O novo espaço logístico da marca está instalado no Centro Empresarial da Feira (CEF), no distrito de Aveiro, e ocupa um recinto com mais de 4.200 metros quadrados, destinado a armazenar e a distribuir pelos clientes todos os artigos adquiridos “através da loja online” da Parfois.

O diretor-geral do CEF, Hugo Pinto, adianta que o funcionamento do novo centro logístico envolve um número de trabalhadores que “oscila entre as 40 e as 120 pessoas, consoante os picos de negócio da marca”, e realça que, embora alguns desses profissionais tenham apenas deslocalizado o seu posto laboral por já antes estarem ao serviço da Parfois noutras moradas da empresa, “a maior parte dessa equipa é constituída por recursos humanos que foram contratados especificamente para exercer funções na Feira”.

Quanto à escolha desse município para instalação da infraestrutura vocacionada para responder às vendas online em diferentes países, o mesmo responsável declarou à Lusa que isso se deveu “sobretudo à capacidade do CEF para garantir um espaço apto a satisfazer os requisitos da Parfois com a rapidez necessária para viabilizar a sua operação”.

Isso significa que, após os contactos estabelecidos entre as duas entidades em meados de janeiro, o CEF procedeu às obras necessárias para adaptação do edifício “num prazo de apenas seis semanas”, pelo que a Parfois pôde mudar o seu stock para o novo centro logístico em março e entretanto já o tem “a funcionar em pleno”.

Com este novo inquilino, o CEF passa a acolher “mais de 40 empresas” nos edifícios que, tendo pertencido à extinta empresa Rohde, foram adquiridos pelo Grupo Tagar em 2016, após a insolvência dessa fabricante de calçado – que chegou a ser a maior empregadora nacional do setor.

Mediante um investimento de 6,5 milhões de euros que permitiu a recuperação de uma área total de 55.100 metros quadrados, o CEF abriu-se a entidades externas no final de 2017, atraiu para o local multinacionais como a McDonalds e a Faurecia e tem já “uma taxa de ocupação de quase 100%”.

Prevendo uma nova fase de afirmação para toda a estrutura, Hugo Pinto revelou: “Vamos adaptando novas áreas à medida que são requisitadas, mas estamos a preparar-nos para investir mais dois a três milhões de euros na melhoria de infraestruturas, o que vai abranger arruamentos, redes de fibra ótica, alterações no edificado, etc.”.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Parfois com novo centro logístico na Feira para distribuição mundial das vendas online

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião