Há mais 388 infetados com Covid-19. Morreram três pessoas nas últimas 24 horas

Nas últimas 24 horas foram identificados 388 novos casos do novo coronavírus em Portugal. A região de Lisboa e Vale do Tejo voltou a concentrar o maior número de novas infeções, com 58% do total.

A Direção-Geral da Saúde (DGS) identificou 388 novos casos de infeção por Covid-19, elevando para 60.895 o número total de infetados desde o início da pandemia. O número total de vítimas mortais subiu para 1.846, após terem sido registadas mais três mortes nas últimas 24 horas.

A maioria dos novos casos voltou a ser registada na região de Lisboa e Vale do Tejo. Dos 388 novos casos confirmados nas últimas 24 horas, 225 foram registados em Lisboa (cerca de 58% do total), seguidos pela região Norte, que contabilizou 119 novas infeções (30,7%).

Boletim epidemiológico de 8 de setembro:

Neste contexto, Lisboa e Vale do Tejo continua a ser a região com mais casos até ao momento (31.273 casos de infeção e 687 mortes), seguindo-se do Norte (22.049 casos e 851 mortes), do Centro (5.004 casos e 254 mortes), do Algarve (1.171 casos e 17 mortes) e do Alentejo (998 casos e 22 mortes). Nas ilhas, os Açores registam 227 casos e 15 mortos, enquanto a Madeira tem 173 pessoas infetadas e continua sem registar nenhuma vítima mortal.

Quanto à caracterização clínica, a maioria dos infetados está a recuperar em casa, sendo que 394 estão internados (mais 13 face ao dia anterior), dos quais 50 em unidades de cuidados intensivos (mais um). Há ainda 34.466 pessoas sob vigilância das autoridades de saúde, ou seja, mais 130 do que no balanço de segunda-feira.

Os dados revelados pelas autoridades de saúde dão ainda conta de mais 130 recuperados, um número significativamente superior relativamente ao último balanço. No total, já 43.146 pessoas recuperaram da doença. Entre os casos de infeção confirmados desde o início da pandemia, mas considerando também os recuperados, existem atualmente 15.903 casos ativos, mais 255 nas últimas 24 horas.

(Notícia atualizada pela última vez às 14h23)

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Há mais 388 infetados com Covid-19. Morreram três pessoas nas últimas 24 horas

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião