GNB Vida já só valia 175 milhões para o Novo Banco

  • ECO Seguros
  • 9 Setembro 2020

O Novo Banco até obteve mais valia de 15 milhões de euros com a venda da GNB Vida. Relatório Deloitte refere que a seguradora tinha perdido muito valor desde 2014.

A participação do Novo Banco na seguradora GNB Vida vendida por 190 milhões no final de 2018 e resultou do registo de 380 milhões de imparidades entre 2016 e 2018. Essas menos valias estiveram relacionadas com o desempenho da própria empresa.

Na sequência da resolução do BES, o Novo Banco comprou em 2014 uma participação de 100% no BES Vida por 620 milhões e logo no final desse ano o seu valor nas contas do NB era de 679 milhões. Depois deu-se uma degradação do desempenho económico da GNB Vida, quatro anos depois os ativos tinham caído 34%, em 2018 o capital próprio tinha decrescido 30% em relação a 2014, a soma dos resultados líquidos de cinco anos foi negativa em 42 milhões de euros. Naturalmente o valor da participação da GNB Vida no balanço do NB degradou-se 74%, ou seja valia na altura da venda em setembro de 2018, um quarto do valor que tinha no momento da resolução.

A armadilha dos produtos Vida com rendimento garantido

A GNB Vida tinha uma posição liderante no ramo Vida em 2014, ano em que vendeu seguros no valor de 1,3 mil milhões de euros e tinha uma quota de mercado no ramo de 21%. O relatório da Deloitte comenta a propósito que “a GNB Vida tinha uma atividade que, de acordo com informação financeira disponibilizada, vinha a decrescer nos últimos anos, observando-se uma redução de quota de mercado” e explica que “o negócio daquela seguradora se encontrava bastante dependente de produtos de taxa de juro garantida, o que, em contexto de taxas de juro muito baixas, constituía um risco considerável e conduzia a uma volatilidade relevante nos resultados”.

 

A partir da passagem para o Novo Banco a atividade da GNB Vida decresceu bruscamente. Em 2017 só emitiu prémios de 149 milhões de euros, menos 85% do que tinha obtido em 2014 e a sua quota de mercado baixou a 4% do segmento Vida em Portugal. Já em 2018, ano da venda da participação à APAX Partners, as vendas subiram mais do dobro e a quota de mercado subiu aos 9,3% do ramo Vida. No primeiro ano como Gamalife, 2019, voltou a quase duplicar as vendas e a quota subiu para 13%, mas os prejuízos mantêm-se.

O relatório descreve que em março de 2017 o Novo Banco iniciou um processo organizado de venda da GNB Vida, no qual foram contactados 54 investidores estratégicos e assinados 5 non disclosure agreements. De acordo com os compromissos assumidos pelo Estado Português em outubro de 2017 com a Comissão Europeia, a participação na GNB Vida deveria ser vendida até 31 de dezembro de 2019. O Novo Banco acabou por iniciar, em maio de 2018, a formalização de negociações com caráter de exclusividade com a GBI, controlada pela APAX, que apresentou a proposta de montante superior, após a existência de 2 ofertas, tendo assinado o contrato de venda em 12 de setembro de 2018 por 190 milhões de euros, acrescido de uma componente variável de até 125 milhões de euros.

O Novo Banco tem insistido que o valor da venda da seguradora estava ao nível das ofertas recebidas por potenciais compradores. A Deloitte confirma no seu relatório que “o reduzido número de ofertas vinculativas indicia um baixo nível de atratividade da companhia para investidores externos”.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

GNB Vida já só valia 175 milhões para o Novo Banco

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião