Da Cisco aos hóteis Hilton, estas são as melhores empresas para trabalhar na Europa

Dez das multinacionais que aparecem na lista de melhores locais de trabalho na Europa operam em Portugal. A avaliação foi feita por mais de 1,46 milhões trabalhadores.

Quase um milhão e meio de trabalhadores europeus votaram e distinguiram as 25 empresas multinacionais com os melhores locais de trabalho do Velho Continente. Dessas, uma dezena operam em Portugal: da Cisco à Mars, passando pelos hotéis Hilton e pela Johnson&Johnson.

Os melhores lugares para trabalhar na Europa foram conhecidos esta quinta-feira e resultam da avaliação feita por mais de 1,46 milhões de trabalhadores, ao longo dos últimos 12 meses. Em causa estão empresas, salienta-se em comunicado, que “priorizam as pessoas”, seja na justiça das promoções e na partilha dos lucros, seja nas lideranças empenhadas.

Além disso, são empresas que “têm vindo a reforçar a sua preocupação com os colaboradores, clientes e comunicados”, em resposta à pandemia de coronavírus.

As empresas estão dividas em três categorias: pequenas e médias empresas, grandes empresas e multinacionais.

É nessa última “gaveta” que se encontram as dez empresas que operam em Portugal:

  • Cisco Systems (em 2º lugar),
  • Hilton (3º lugar),
  • Mars (4º lugar),
  • AbbVie (5º lugar),
  • Daimler Mobility (7º lugar),
  • DHL Express (10º lugar),
  • SAS Institute (11º lugar),
  • Multipharma (12º lugar),
  • Johnson&Johnson (15º lugar),
  • Grupo SEB (22º lugar).

Na categoria de pequenas empresas, é a sueca Regent a liderar. Já na categoria das médias empresas, a alemã PASCOE Naturmedizin assume a dianteira. Nas grande empresas, destaca-se a dinamarquesa Sparekassen Kronjylland.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Da Cisco aos hóteis Hilton, estas são as melhores empresas para trabalhar na Europa

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião