Hoje nas notícias: TAP, máscaras obrigatórias e professores

  • ECO
  • 11 Setembro 2020

Dos jornais aos sites, passando pelas rádios e televisões, leia as notícias que vão marcar

A TAP não vai renovar mais de 300 contratos a prazo nos próximos meses. Os professores de risco vão ser substituídos todas as semanas, no âmbito das medidas para as escolas em tempos de pandemia. Guimarães é o concelho do Norte com mais casos na primeira semana do mês e, por isso, a autarquia já recomendou o uso de máscara em todo o lado, mesmo na rua. A CGTP considera que, com a medida de desfasamento de horários, é uma boa altura para voltar a discutir a semana de trabalho de 35 horas. O Governo vai transformar 24 edifícios com o objetivo de modernizar a agricultura nacional.

TAP dispensa 300 trabalhadores com contratos a prazo

A TAP não vai renovar mais de 300 contratos a prazo nos próximos meses, depois de a companhia aérea ter dispensado de cerca de 600 trabalhadores com vínculos com termo certo desde o início da pandemia. A redução dos postos de trabalho poderá, ainda assim, ser mais alargado devido ao plano de reestruturação que será apresentado a Bruxelas. Leia a notícia completa em Jornal Económico (acesso pago)

Professores de risco substituídos todas as semanas

Os professores considerados de risco vão ser substituídos todas as semanas, no âmbito das medidas do Ministério da Educação para as escolas em tempos de pandemia. As aulas começam já na próxima segunda-feira. O Ministério da Educação garante que não vai autorizar docentes em teletrabalho por causa da pandemia, sendo que as ausências terão de ser justificadas com atestado e as carências resolvidas através da bolsa de recrutamento. Leia a notícia completa em Jornal de Notícias (link indisponível)

Guimarães quer tornar o uso de máscara obrigatório na rua

Guimarães é o concelho do Norte com mais casos na primeira semana do mês e, por isso, a autarquia já recomendou o uso de máscara em todo o lado, mesmo na rua. “Pedimos até às autoridades do Governo que transformem esta recomendação, que é pedagógica, em obrigatoriedade legal”, disse o presidente da Câmara, afirmando que que a “transmissão comunitária” já não permite identificar a origem de todas as cadeias de contágio no concelho. Leia a notícia completa no Jornal de Notícias (link indisponível)

CGTP diz que é boa altura para voltar a discutir as 35 horas

Para a entrada na fase de contingência, o Governo decidiu voltar a privilegiar o teletrabalho e a desfasar os horários de entrada e saída. Do lado dos parceiros sindicatos e representantes empresariais há quem antecipe dificuldades na aplicação das medidas, como é o caso da CGTP. Isabel Camarinha defende que estas soluções têm de ser negociadas e sugere que a redução do horário de trabalho para as 35 horas “poderá ser uma forma de alterar os horários dos trabalhadores sem os prejudicar”. Leia a notícia completa no Público (acesso pago)

Governo cria 24 centros para modernizar agricultura

O Governo vai transformar 24 edifícios em centros de estudos, estações experimentais, quintas e herdades, dotá-los de tecnologia de ponta e trabalhadores qualificados, com o objetivo de modernizar a agricultura nacional. “Os centros estão atualmente em funcionamento, mas não respondem aos desafios de uma agricultura que se quer mais moderna, competitiva e inclusiva”, diz a ministra da Agricultura. Cada equipamento terá uma área de especialização, definida de acordo com a região onde se encontra. Leia a notícia completa no Jornal de Negócios (acesso pago)

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Hoje nas notícias: TAP, máscaras obrigatórias e professores

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião