“Não é razoável” subir salário mínimo em 2021. Atirará empresas para o “precipício”, diz o turismo

A Confederação do Turismo de Portugal rejeita uma subida do salário mínimo em 2021, pelo menos na situação atual. Caso haja uma forte recuperação do setor, a CTP admite uma revisão a meio do ano.

O presidente da Confederação do Turismo de Portugal (CTP), Francisco Calheiros, considera que “não é razoável” aumentar o salário mínimo no início do próximo ano, como pretende o Governo, argumentando que qualquer aumento de custos para as empresas do setor do turismo irá atirá-las para o “precipício”.

Não deve haver aumento neste momento, face ao que está a acontecer com a pandemia“, afirma Francisco Calheiros, em entrevista ao Jornal de Negócios e à Antena 1. Para os patrões do turismo é claro que “qualquer aumento nas empresas agora não é razoável”, uma posição que defenderão em concertação social quando o assunto for discutido.

Ainda assim, o presidente da CTP não exclui que a situação possa melhorar, admitindo uma revisão do salário mínimo a meio do próximo ano, na perspetiva de haver um aumento, “se a situação se alterar”. Contudo, até lá, as perspetivas não são boas uma vez que Calheiros antecipa dois momentos de “choque” para o turismo, que vão provocar mais desemprego, em outubro e em janeiro.

O primeiro-ministro já assegurou que o Executivo pretende aumentar o salário mínimo em 2021. No entanto, António Costa avisou que o aumento teria de ser mais pequeno do que se esperava anteriormente. Pelas palavras do primeiro-ministro e do ministro das Finanças, o Governo abre a porta a um aumento superior a 10 euros, mas inferior a 35 euros. João Leão considerou ser positivo que se prossiga com os aumentos no salário mínimo uma vez que irá criar “expectativas positivas dos seus rendimentos” nestes trabalhadores e dar um sinal de confiança aos agentes económicos.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

“Não é razoável” subir salário mínimo em 2021. Atirará empresas para o “precipício”, diz o turismo

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião