Governo quer acabar com todas as carências habitacionais até 2024

  • Lusa
  • 14 Setembro 2020

O Governo quer “garantir a implementação continuada e sustentada” do acesso à habitação até 2024, através do aumento do parque habitacional público e criando uma Bolsa Nacional de Alojamento Urgente.

O Governo quer acabar com todas as carências habitacionais em Portugal até 2024, ano em que se comemoram os 50 anos do 25 de Abril, aumentando o parque habitacional público e criando uma Bolsa Nacional de Alojamento Urgente.

De acordo com a proposta de lei das Grandes Opções do Plano (GOP) para 2021, o Governo de António Costa quer “garantir a implementação continuada e sustentada” do acesso à habitação, através de “soluções habitacionais para as famílias mais carenciadas e sem alternativa habitacional”.

“Para tal serão alocados ao programa os recursos financeiros necessários para atingir a meta de erradicar todas as carências habitacionais até ao 50.º aniversário do 25 de abril, aumentando assim o parque habitacional público”, lê-se no documento.

Por outro lado, e para dar resposta a casos de “extrema precariedade e vulnerabilidade”, que precisam de uma solução urgente e temporária, será criada uma Bolsa Nacional de Alojamento Urgente, em cooperação com a Segurança Social, e que será também financiada pelo Programa de Apoio ao Acesso à Habitação.

Relativamente ao financiamento deste programa, o Governo diz apenas que irá destinar os recursos financeiros necessários aos objetivos traçados, mas não divulga quanto está em causa.

Por outro lado, há também o objetivo de “criar um parque habitacional público a custos acessíveis” para os agregados familiares de rendimentos intermédios com dificuldade em aceder a uma habitação, tendo em conta que o “Estado [é] proprietário de um vasto património imobiliário”.

“Para este fim, prevê-se em 2021 avançar com as intervenções necessárias para a promoção pelo IHRU [Instituto da Habitação e da Reabilitação Urbana] no património já identificado como apto”, revela o GOP.

Paralelamente, há o objetivo de continuar a dar incentivos ao setor privado para a disponibilização de oferta habitacional para arrendamento, “em condições de estabilidade e a custos abaixo do mercado”. O projeto de proposta de lei das Grandes Opções do Plano (GOP) para 2021 será analisado e alvo de parecer por parte do Conselho Económico e Social (CES).

Em abril, o parlamento aprovou um regime excecional do processo orçamental que permitiu adiar a entrega do Programa de Estabilidade e que a apresentação da proposta das Grandes Opções seja feita com a do Orçamento do Estado para 2021.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Governo quer acabar com todas as carências habitacionais até 2024

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião