Há mais 613 infetados com Covid-19. Morreram quatro pessoas nas últimas 24 horas

Nas últimas 24 horas foram identificados 613 novos casos do novo coronavírus em Portugal. O número total de pessoas infetadas sobe para 64.596 .

A Direção-Geral da Saúde (DGS) identificou 613 novos casos de infeção por Covid-19, elevando para 64.596 o número total de infetados desde o início da pandemia. O número total de vítimas mortais subiu para 1.871, após terem sido registadas mais quatro mortes nas últimas 24 horas.

Este número de novos casos reflete uma descida face a ontem, mas pelo segundo dia consecutivo Portugal está acima da fasquia dos 600 novos casos. Além disso, esta é a segunda-feira com o maior número de novos casos registados desde o início da pandemia em Portugal, apenas inferior aos 657 novos casos registados a 20 de abril.

Entre os casos de infeção confirmados desde o início da pandemia, mas considerando também os recuperados, existem atualmente 18.540 casos ativos, mais 493 nas últimas 24 horas.

Nesse sentido, durante este fim de semana, o Presidente da República voltou a avisar que o número de novos casos “não é uma boa notícia”, pedindo aos portugueses para cumprirem as regras, nomeadamente as que começarão a aplicar-se a partir de amanhã, 15 de setembro.

A maioria dos novos casos foi registada na região de Lisboa e Vale do Tejo. Dos 613 novos casos confirmados nas últimas 24 horas, 338 foram registados em Lisboa (cerca de 55,14% do total), seguidos pela região Norte, que contabilizou 178 novas infeções (29%).

Boletim epidemiológico de 14 de setembro:

Neste contexto, Lisboa e Vale do Tejo continua a ser a região com mais casos até ao momento (33.070 casos de infeção e 705 mortes), seguindo-se do Norte (23.411 casos e 857 mortes), do Centro (5.279 casos e 254 mortes), do Algarve (1.244 casos e 18 mortes) e do Alentejo (1.161 casos e 22 mortes). Nas ilhas, os Açores registam 239 casos e 15 mortos, enquanto a Madeira tem 192 pessoas infetadas e continua sem registar nenhuma vítima mortal.

Quanto à caracterização clínica, a maioria dos infetados está a recuperar em casa, sendo que 477 estão internados (mais 25 face ao dia anterior), dos quais 61 em unidades de cuidados intensivos (mais quatro). Há ainda 36.758 pessoas sob vigilância das autoridades de saúde, ou seja, mais 360 do que no balanço de domingo.

Os dados revelados pelas autoridades de saúde dão ainda conta de mais 116 recuperados, um número inferior relativamente ao último balanço. No total, já 44.185 pessoas recuperaram da doença.

“Estamos numa nova fase da pandemia”, alerta Lacerda Sales

Na conferência de imprensa desta segunda-feira, o secretário de Estado da Saúde alertou que Portugal entrou “numa nova fase da pandemia”, já que das 613 novas infeções identificadas “apenas 10%” foram detetadas em pessoas com “idade superior a 70 anos”, a faixa etária onde o risco de complicações decorrentes é “maior”.

Assim, a maioria das novas infeções (51%), “ocorreram em pessoas entre os 20 e os 49 anos”, acrescentou, Lacerda Sales em declarações transmitidas pelas televisões. “Se, por um lado, se trata de uma boa noticia, já que mostra que temos conseguido preservar a saúde dos mais vulneráveis, por outro obriga-nos a uma reflexão coletiva sobre os nossos comportamentos individuais”, advertiu.

Nesse contexto, tal como o Presidente da República, Lacerda Sales apela que os portugueses não baixem a guarda em relação às medidas de contenção da Covid-19. “É importante que todos continuemos conscientes do nosso papel na limitação da propagação do vírus”, apontou.

Questionada sobre se estamos perante uma segunda vaga, a diretora-geral da Saúde considera que é prematuro tomar uma conclusão definitiva, mas admite que é notório o aumento do número de casos. “O que sabemos é que, avaliando a curva epidémica, estamos a experienciar um aumento da curva, mas só daqui a uns dias perceberemos se essa tendência se mantém e a que nível vai ficar”, afirmou Graça Freitas.

(Notícia atualizada pela última vez às 14h30)

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Há mais 613 infetados com Covid-19. Morreram quatro pessoas nas últimas 24 horas

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião