Advogados impedidos de entrar em tribunais à conta do Covid-19

O bastonário da Ordem dos Advogados denuncia casos em que os advogados têm sido impedidos de entrar nos tribunais ou em que não é cumprida a prioridade a que têm direito, segundo a lei.

A Ordem dos Advogados (OA) apelou aos serviços dos tribunais e aos juízes presidentes das comarcas para que se cumpra o direito legal de preferência dos advogados no atendimento e entrada nos tribunais.

Isto porque a Ordem dos Advogados (OA) tem recebido muitas queixas dos advogados relativamente ao acesso, não apenas às secretarias dos tribunais, mas também em relação a outros serviços públicos como conservatórias e repartições de finanças. O problema resulta de se estar a exigir marcações prévias, as quais não apenas põem em causa a preferência no atendimento, mas também o próprio atendimento atempado, uma vez que em muitas casos não conseguem fazer a marcação, ou a mesma é agendada para uma data muito tardia. A consulta dos processos tem sido essencialmente dificultada nos tribunais criminais e no DIAP.

“Em relação à entrada nos edifícios dos tribunais tem havido dificuldades de acesso, em primeiro lugar porque é necessário tirar senhas que indicam a diligência em causa e os advogados têm sido em muitos casos obrigados a esperar à porta. Mas a principal queixa que temos respeita aos advogados-estagiários, os quais têm sido muitas vezes impedidos de entrar nas salas de audiência, a pretexto de que são muito pequenas, o que tem dificultado a conclusão dos seus estágios”, segundo explicou o bastonário Luís Menezes Leitão, em declarações ao ECO.

O Estatuto da Ordem dos Advogados — no artigo 79º — contempla o acesso e direito de preferência aos advogados no acesso aos tribunais. “Esta questão está consagrada legalmente, por isso a atitude dos serviços públicos é inadmissível”, explica Luís Menezes Leitão.

“Com efeito, o Conselho Geral tem recebido várias queixas de colegas que têm sido impedidos de aceder aos serviços públicos e às secretarias dos tribunais sem qualquer fundamento legal, situação que o Conselho Geral considera inadmissível”, diz a mesma fonte.

Nesse sentido, o Conselho Geral deliberou, “por unanimidade dos membros presentes, em reunião plenária de 11 de Setembro de 2020, insistir junto das entidades que tutelam os referidos serviços e os tribunais, no sentido de que deverão ser cumpridos escrupulosamente os supra indicados preceitos legais, em ordem a ultrapassar os constrangimentos que têm vindo a ocorrer injustificadamente. Para tanto, deverão as direções dos serviços em causa, bem como os Senhores Juízes Presidentes das Comarcas ser interpelados para dar cabal cumprimento ao direito de preferência e ao direito de ingresso nas secretarias dos tribunais”, apela Menezes Leitão.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Advogados impedidos de entrar em tribunais à conta do Covid-19

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião