Ordem dos Advogados avança com processo judicial contra Fidelidade

Após a Fidelidade ter disponibilizado um serviço jurídico gratuito, o Conselho Regional de Lisboa da Ordem dos Advogados avançou com um processo de crime de procuradoria ilícita.

O Conselho Regional de Lisboa da Ordem dos Advogados (OA) vai avançar com um processo de crime de procuradoria ilícita contra a seguradora Fidelidade. Esta tomada de posição surge após a Fidelidade ter disponibilizado um serviço de apoio jurídico gratuito para ajudar mais de 1,6 milhão de clientes a compreenderem e implementarem as medidas decorrentes do estado de emergência em vigor.

A companhia de seguros já tinha sido avisada pela OA, mas decidiu continuar com o serviço. “Após comunicar diretamente ao presidente do conselho de administração daquela companhia que a intenção de prestar aconselhamento jurídico aos seus clientes violava a lei, a Fidelidade manifestou, publicamente, que iria insistir na iniciativa“, nota João Massano, presidente do Conselho Regional de Lisboa, em comunicado.

A Ordem dos Advogados, instaurando um procedimento judicial cautelar e urgente, pretende colocar um ponto final à prestação de serviços jurídicos por parte da companhia de seguros, uma vez que os mesmos são da competência dos advogados.

Em comunicado, o Conselho Regional de Lisboa garante que a atuação da Fidelidade, bem como dos advogados da seguradora, violam “gravemente” os direitos dos advogados, “abrindo a possibilidade, na ausência de qualquer medida urgente por parte da OA, do ressurgimento da figura das sociedades multidisciplinares, que não mereceu acolhimento do legislador, aquando da elaboração do Estatuto da Ordem dos Advogados”.

“Nos termos da Lei dos Atos Próprios dos Advogados e Solicitadores, há um conjunto de atos – nela expressamente previstos – que constituem competência exclusiva dessas duas classes profissionais, precisamente por se revestirem de especial interesse público”, relembra o presidente do Conselho Regional de Lisboa.

João Massano relembra ainda que a pandemia do Covid-19 e, mais concretamente, o estado de emergência decretado não suspendem, de forma global, o ordenamento jurídico português, pelo que a lei não pode ser extravasada.

“Muito embora as seguradoras possam contratar seguros de proteção jurídica, conforme, de resto, se encontra previsto no Regime Jurídico do Contrato de Seguro, não se pode esquecer que o seguro de proteção jurídica, enquanto eventual parte integrante de um contrato de seguro, está diretamente associado ao risco desse mesmo contrato. O que equivale a dizer, concatenando, nomeadamente, a Lei dos Atos Próprios e o Regime Jurídico referido, que a Fidelidade não se encontra habilitada para, de forma indiscriminada, prestar aconselhamento jurídico ou qualquer outro serviço jurídico subsumível na Lei dos Atos Próprios. Nem mesmo, diga-se, a divulgar – mais uma vez, enfatize-se, de forma indiscriminada – esse mesmo serviço ou serviços”, conclui.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Ordem dos Advogados avança com processo judicial contra Fidelidade

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião