Fundo de Resolução pede auditoria específica aos créditos de Vieira no Novo Banco. “Está em curso”, diz Ramalho

António Ramalho anunciou, em audição parlamentar, que o FdR pediu uma auditoria específica às perdas geradas pelo grupo detido pelo presidente do Benfica, que é um dos maiores devedores do banco.

Empresa de Luís Filipe Vieira é um dos maiores devedores do Novo Banco. O grupo, que causou à instituição uma perda de 225,1 milhões de euros entre agosto de 2014 e o final de 2018, está sob investigação do Fundo de Resolução, segundo anunciou o CEO do Novo Banco, António Ramalho.

“São operações que são analisadas em detalhe, que foram autorizadas pelo Fundo de Resolução e que o Fundo de Resolução, de facto, pediu também uma auditoria específica para que ela fosse analisada em profundidade. Auditoria essa que está em curso“, disse Ramalho, esta terça-feira numa audição no Parlamento.

O banqueiro não usou o nome, mas sim o código referente que aparece na auditoria da Deloitte por razões de sigilo bancário: grupo económico 2. O Correio da Manhã avançou que este é a Promovalor. No final de 2018, a dívida do grupo económico do presidente do Benfica ascendia a 760,3 milhões de euros, tornando-o num dos maiores devedores do Novo Banco devido tanto a imparidades como à desvalorização da dívida e dos ativos imobiliários.

Ainda sem os resultados dessa nova auditoria, António Ramalho lembra que esta operação já passou pela mira da Deloitte. “De qualquer forma, é vista por esta auditoria sem ser encontrado nenhum finding“, explica sobre o relatório que analisou 283 atos de gestão, entre 1 de janeiro de 2000 até 31 de dezembro de 2018, que originaram perdas de 4.042 milhões de euros para o Novo Banco entre 4 de agosto de 2014 (um dia após a resolução do BES) e 31 de dezembro de 2018.

“Mantemos integralmente todas as garantias e que se mantém o direito de opção de venda da nossa participação em relação ao referido investidor do grupo 2. Esta participação é um crédito que — se pura e simplesmente não se realizar — fica exatamente na mesma situação em que estava. Não é uma participação que em nada reduza as capacidades de recuperação do banco, mas é uma participação que aumenta as capacidades de reestruturação do banco pelo facto de garantir condições especiais de garantias reais sobre dois ativos situados em Portugal“, acrescentou António Ramalho.

(Notícia atualizada às 17h20)

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Fundo de Resolução pede auditoria específica aos créditos de Vieira no Novo Banco. “Está em curso”, diz Ramalho

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião