30% do Fundo de Recuperação europeu será financiado com green bonds

A Comissão Europeia irá aos mercados para financiar o Fundo de Recuperação europeu. 30% da dívida será emitida através de green bonds, tornando a UE um dos maiores emissores de dívida verde.

A presidente da Comissão Europeia, Ursula Von der Leyen, anunciou esta quarta-feira, no discurso do Estado da União, que 30% da emissão de dívida para financiar o Fundo de Recuperação europeu será feita através de green bonds. Essa hipótese tinha sido noticiada no fim de semana pelo Financial Times, tornando-se agora oficial.

Ao todo, serão emitidos 225 mil milhões de euros em dívida verde, tornando a União Europeia, através da Comissão Europeia, um dos maiores emissores de green bonds — segundo o vice-presidente da Comissão Europeia, Valdis Dombrovskis, será mesmo o maior. Esta será a primeira vez que a UE vai emitir dívida verde.

Dos 750 mil milhões de euros do Fundo de Recuperação europeu — conhecido como o Next Generation EU (Próxima Geração UE) –, 37% (277,5 mil milhões de euros) serão gastos nos projetos previstos no European Green Deal (Pacto Verde Europeu). No acordo de julho do Conselho Europeu estava previsto que “pelo menos 30%” das verbas tinham de ser gastas nos objetivos da ação climática.

A presidente da Comissão Europeia anunciou também que irá propor uma redução maior das emissões de 55% até 2030. “Temos de ser os líderes” na transição climática, disse Von der Leyen, admitindo que este valor é “muito para alguns e insuficiente para outros”. Este objetivo é “ambicioso, mas alcançável”, assegura.

A emissão de dívida verde, cuja emissão tem subido significativamente nos últimos anos, é uma das formas de financiamento possíveis quando o dinheiro emprestado é direcionado para projetos ligados ao ambiente, como se pretende que aconteça no fundo de recuperação europeu. Assim, a utilização das green bonds poderá ajudar a Europa a fazer a transição climática, uma das prioridades da União Europeia nesta recuperação, uma vez que estimulará este segmento dos mercados financeiros.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

30% do Fundo de Recuperação europeu será financiado com green bonds

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião