Brexit: Boris Johnson “esperançoso” num acordo de comércio com a UE

  • Lusa
  • 16 Setembro 2020

O primeiro-ministro britânico está "esperançoso" em chegar a um acordo pós-Brexit com a União Europeia, apesar do impasse nas negociações.

O primeiro-ministro britânico, Boris Johnson, afirmou esta quarta-feira estar “esperançoso” em chegar a um acordo pós-Brexit com a União Europeia (UE), apesar do impasse nas negociações e das tensões criadas por uma proposta de lei britânica que revoga compromissos anteriores.

“Não é o que este país deseja”, disse o líder conservador sobre a possibilidade de uma ausência de acordo que teria um impacto na economia britânica, durante uma audiência esta tarde com uma comissão que junta os presidentes das diferentes comissões parlamentares. “E não é o que os nossos amigos e parceiros da UE querem de nós. Por isso tenho esperança e expectativa de que não será esse o resultado” das negociações.

Boris Johnson, no entanto, recusou ceder na questão da proposta de lei que reverte parcialmente certos compromissos assumidos no Acordo de Saída do do Reino Unido da UE. Este texto, que segundo o próprio Governo viola o direito internacional, passou a primeira no Parlamento britânico na segunda-feira, apesar da contestação de vários deputados conservadores, tendo sido aprovado por 340 votos a favor e 263 contra.

Ameaçando uma ação legal, Bruxelas deu a Londres até final do mês de setembro para retirar a proposta polémica, que coloca em causa as regras aduaneiras para a Irlanda do Norte destinadas, em particular, a evitar o restabelecimento de uma fronteira físico entre a República da Irlanda, membro da UE, e a província britânica.

“Prefiro ter proteções que garantam a integridade deste país e protejam contra uma potencial rutura do Reino Unido”, justificou Boris Johnson, que acusou a UE de falta de “boa-fé” e “senso comum” nas negociações pós-Brexit.

As duas partes continuam a tentar negociar um acordo sobre a sua futura relação comercial, mas as últimas negociações não resultaram em grandes avanços. Meados de outubro é considerado o prazo para alcançar um entendimento, senão a ausência de um acordo resultará em tarifas aduaneiras no comércio entre o Reino Unido e o bloco europeu a partir de 01 de janeiro de 2021.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Brexit: Boris Johnson “esperançoso” num acordo de comércio com a UE

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião