Antonoaldo Neves sai da TAP “com sentimento de missão cumprida”

  • Lusa
  • 16 Setembro 2020

Numa carta dirigida à "família TAP", Antonoaldo Neves diz "há sempre espaço para fazer mais e melhor", mas que deixa a companhia aérea "com sentimento de missão cumprida".

O presidente executivo da TAP cessante, Antonoaldo Neves, afirmou esta quarta-feira que “há sempre espaço para fazer mais e melhor”, adiantando que deixa a companhia aérea “com sentimento de missão cumprida”, numa carta a que a Lusa teve acesso.

Há sempre espaço e oportunidade para fazer mais e melhor. Nunca deixem de acreditar nisso. Ainda assim, saio com sentimento de missão cumprida. […] Saio com a consciência e com o coração completamente tranquilos por ter dado o meu contributo, profissional e enérgico, sempre para o melhor da TAP“, afirmou Antonoaldo Neves, numa carta dirigida à “família TAP”.

Antonoaldo Neves agradece ao Conselho de Administração “pelo seu engajamento e vontade de contribuir com a TAP”, deixa “uma palavra especial de gratidão ao David Neeleman e ao Humberto Pedrosa, pela oportunidade de viver este desafio”, a Fernando Pinto, que, com imensa bondade, o integrou na família TAP, aos colegas da Comissão Executiva, “profissionais de grande valor, e do C Level” e ainda aos portugueses, em geral, que “tão bem” o acolheram bem como à família.

Antonoaldo Neves deixa a TAP na sequência do acordo entre o Governo e os acionistas privados para a reorganização do quadro societário da TAP – com a saída de David Neeleman – e será temporariamente substituído por Ramiro Sequeira.

Na carta, o presidente executivo que liderou a TAP desde janeiro de 2018, sucedendo a Fernando Pinto, deixa ainda “uma palavra de apreço e encorajamento ao Ramiro, que saberá dar o seu melhor para motivar e criar as condições para que todos possam contribuir para ultrapassar este desafio e dar um novo futuro à nossa TAP”.

Sobre a sua saída, anunciada pelo Governo em julho, Antonoaldo Neves considera que “são movimentos normais no mundo empresarial”.

Em relação à TAP, que terá que enfrentar um processo de reestruturação, Antonoaldo Neves defende que o desafio que “tem pela frente é enorme”, manifestando “esperança de que um novo ciclo se iniciará, beneficiando de tudo de bom que advém de 75 anos de história e do calibre que esta equipa tem para enfrentar e ultrapassar desafios sem tamanho”.

“O desafio que a TAP tem pela frente é enorme e, para além da alma, é preciso muito foco e união. Tenho a esperança de que um novo ciclo se iniciará, beneficiando de tudo de bom que advém de 75 anos de história e do calibre que esta equipa tem para enfrentar e ultrapassar desafios sem tamanho”, lê-se no documento.

Antonoaldo Neves aproveita para recordar “muitas vitórias” alcançadas “nos últimos anos”, enumerando a renovação da frota, novos destinos, a duplicação da satisfação do cliente, a reestruturação da ME (Manutenção e Engenharia) Brasil, financiamento nos mercados financeiros internacionais, a reestruturação da dívida, “diminuindo significativamente o seu peso e aumentando a sua maturidade”.

“Contratámos mais de 2.000 pessoas e assegurámos a paz social, não houve greves na TAP desde a privatização. Passámos de 10,6 milhões de passageiros para 17,1 milhões, 80% dos quais são estrangeiros e, em 2019, fomos escolhidos como a melhor empresa para trabalhar em Portugal”, acrescentou.

Em 2 julho, quando anunciou o acordo com os acionistas privados para o Estado ficar com 72,5% do capital – e a saída de David Neeleman –, Pedro Nuno Santos tinha dito que Antonoaldo Neves seria substituído “de imediato”.

O Estado português detém agora uma participação social de 72,5%, o empresário Humberto Pedrosa 22,5% e os trabalhadores os restantes 5% do grupo.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Antonoaldo Neves sai da TAP “com sentimento de missão cumprida”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião