DBRS mantém perspetiva do rating graças aos anos de consolidação orçamental

Agência canadiana manteve o rating da República portuguesa no nível “BBB (high)”, com a perspetiva "estável". Justifica decisão com o "trabalho de casa" feito antes da pandemia.

A DBRS manteve o rating de Portugal de “BBB (high)”, com uma perspetiva “estável”. A agência canadiana adianta que a notação de risco do país dependerá da duração do choque provocado pela pandemia e do impacto que poderá ter nas perspetivas de crescimento económico e na deterioração das finanças públicas.

Em comunicado, a DBRS explica que manteve a tendência “estável” por causa da melhoria dos vários indicadores económicos nos últimos anos antes da crise, que permite a Portugal ter capacidade para responder à crise provocada pelo Covid-19.

“A economia portuguesa diversificou as exportações para um nível de maior qualidade e aumentou o investimento do setor privado. Os anos de excedentes orçamentais primários e a descida do rácio da dívida pública deram ao governo margem para disponibilizar estímulos orçamentais temporários para amortecer o impacto do choque na economia“, salientam os analistas da agência de rating.

A dar confiança à DBRS está ainda “o compromisso de todos os partidos políticos de voltar a equilibrar as contas orçamentais assim que as condições melhorarem” e o facto de os bancos estarem hoje mais sólidos.

"Os anos de excedentes orçamentais primários e a descida do rácio da dívida pública deram ao governo margem para disponibilizar estímulos orçamentais temporários para amortecer o impacto do choque na economia.”

DBRS

Por outro lado, o rating manteve-se três níveis acima do que é considerado “investimento especulativo” por causa da presença portuguesa na Zona Euro e União Europeia. “Ambos os fatores ajudam a melhorar a credibilidade e a sustentabilidade das políticas macroeconómicas”, frisa a DBRS.

Como notou na anterior decisão, volta a lembrar o elevado nível de endividamento público. “Os legados da crise da área do euro continuam a apresentar vulnerabilidades, incluindo a dívida pública elevada”.

Para o futuro, a DBRS faz depender a evolução da notação de risco de Portugal da evolução da pandemia e da dimensão dos “estragos” que o Covid-19 fizer na economia.

“Os ratings poderão ser revistos em baixa se a crise diminuir significativamente as perspetivas de crescimento e enfraquecer o compromisso político em torno de políticas macroeconómicas sustentáveis, resultando numa deterioração significativa para o outlook das finanças públicas”, diz a agência.

Ao invés, se Portugal conseguir voltar a inverter a trajetória da dívida pública para níveis observados antes do choque do Covid-19 e manter os progressos no reforço do setor financeiro, o rating poderá melhorar.

(Notícia atualizada às 21h38)

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

DBRS mantém perspetiva do rating graças aos anos de consolidação orçamental

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião