Marcelo “feliz por assistir a passos em processos judiciais” como Marquês, Tancos e Lex

O Presidente da República mostrou-se satisfeito com o avançar de grandes processos judiciais, independentemente do resultado, no dia em que o Ministério Público acusou 17 arguidos na Operação Lex.

O Presidente da República mostrou-se “feliz” pelo avançar de grandes processos judiciais como a Operação Marquês, Caso Tancos ou Operação Lex, independentemente do resultado que venha a ser apurado na Justiça. Declarações que surgem no dia em que o Ministério Público acusou figuras como Luís Filipe Vieira no âmbito deste último processo.

“O Presidente da República não comenta casos de Justiça, mas fico feliz por durante o meu mandato ter sido possível assistir — qualquer que seja o resultado final — a passos da Justiça portuguesa em inúmeros casos relevantes” na ótica judicial e da opinião pública, afirmou Marcelo Rebelo de Sousa, em declarações transmitidas pela RTP 3 a partir de Olhão.

Na visão do chefe de Estado, é a resposta aos que “diziam” ou “temiam” que, “em megaprocessos ou casos mais sensíveis”, a Justiça “não queria ou não era capaz” de avançar. “Eu, como Presidente da República, fico feliz, independentemente do que se suceda na tramitação. Quero que haja Justiça”, destacou Marcelo Rebelo de Sousa, após a inauguração de uma escola.

A Procuradoria-Geral da República deduziu acusação para julgamento contra 17 arguidos da Operação Lex. O presidente do Benfica, Luís Filipe Vieira, está a ser acusado pelo crime de recebimento indevido de vantagem, em coautoria com Fernando Pagamim Tavares e Jorge Rodrigues Barroso.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Marcelo “feliz por assistir a passos em processos judiciais” como Marquês, Tancos e Lex

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião