Isabel dos Santos e Dokolo reportados pelos bancos às autoridades dos EUA

  • ECO
  • 20 Setembro 2020

Há uma nova fuga de informação: os FinCEN Files. Revelam transferências bancárias de dois biliões de dólares que levantaram suspeita. Dois dos documentos envolvem Isabel dos Santos e marido.

Mais de 2.100 relatórios sobre atividades suspeitas enviados entre 1999 e 2017 por vários bancos às autoridades americanas estão na origem da mais recente fuga de informação à escala mundial, os FinCEN Files. Os documentos revelam detalhes sobre transferências bancárias de mais de dois biliões de dólares em que foram levantadas suspeitas sobre eventuais esquemas de lavagem de dinheiro ou outros crimes, avança o Expresso (acesso pago).

Segundo o jornal (acesso pago), Isabel dos Santos e o marido Sindica Dokolo estão entre os clientes confidenciais que foram reportados às autoridades americanas. A empresária angolana foi alvo de dois relatórios sobre atividades suspeitas em 2013 por parte dos bancos JPMorgan e Standard Chartered, por causa de transferências ligadas à Unitel e ao negócio dos diamantes em que Sindika Dokolo foi sócio do Estado angolano.

Em causa estão mais de 2.100 relatórios SARs (Suspicious Activity Reports) que são entregues pelos bancos, ao abrigo das regras dos EUA, à agência federal FinCEN (Financial Crimes Enforcement Network), e foram obtidos pelo site de informação BuzzFeed News e partilhados com o Consórcio Internacional de Jornalistas de Investigação (ICIJ).

O Expresso diz que a fuga de informação corresponde apenas a 0,02% dos 12 milhões de SARs que foram enviados à FinCEN durante o período principal a que fuga diz respeito, entre 2011 e 2017.

Dos dois biliões de dólares sob suspeita, 1,3 biliões dizem respeito a movimentos associados à sucursal americana do Deutsche Bank.

Apoie o jornalismo económico independente. Contribua

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso. O acesso às notícias do ECO é (ainda) livre, mas não é gratuito, o jornalismo custa dinheiro e exige investimento. Esta contribuição é uma forma de apoiar de forma direta o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo rigoroso e credível, mas não só. É continuar a informar apesar do confinamento, é continuar a escrutinar as decisões políticas quando tudo parece descontrolado.

Introduza um valor

Valor mínimo 5€. Após confirmação será gerada uma referência Multibanco.

Comentários ({{ total }})

Isabel dos Santos e Dokolo reportados pelos bancos às autoridades dos EUA

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião