Lovys reforça colaboração com Wakam (ex-La Parisienne Assurances)

  • ECO Seguros
  • 20 Setembro 2020

A seguradora parisiense operou a refundação da sua identidade e a Lovys, de origem portuguesa, testemunha a transição e revela a ECO Seguros que a parceria perspetiva desenvolver novos produtos.

La Parisienne Assurances tem perto de dois séculos de existência e soluções de seguro distribuídas em 13 países. Acaba de adotar a designação Wakam para refletir o modelo digital, ambição internacional e foco no futuro, anunciou a instituição.

A Lovys, com operação sediada em França e parte da equipa em Portugal, é uma das parceiras da companhia parisiense: “Temos uma relação (e até uma localização) muito próxima da Wakam.” A colaboração existe “desde que co-criámos o primeiro produto em Habitação,” afirma Tomás Andrade e Sousa, VP of Insurance, em resposta a ECO Seguros.

Olivier Jaillon, Chief Executive and Enablement Officer da Wakam: “Defendemos um objetivo partilhado por todas as seguradoras: tornar o seguro mais fácil, mais impactante e mais transparente para o consumidor final”

A instituição parisiense, adquirida no ano 2000, por Olivier Jaillon Chief Executive and Enablement Officer da Wakam e outros acionistas, explica em comunicado que, ao tornar-se Wakam passa a ser uma sociedade com missão de ser “uma referência para os intermediários de seguros e plataformas de distribuição.” A Wakam defende um objetivo partilhado por todas as seguradoras: “tornar o seguro mais fácil, mais impactante e mais transparente para o consumidor final”.

“Estamos a abrir um novo capítulo que visa permitir-nos ser o líder em seguros digitais na Europa, tanto economicamente como em termos da nossa responsabilidade social de servir os nossos parceiros e as empresas que depositam a sua confiança em nós”, afirma Olivier Jaillon, Chief Executive and Enablement Officer da Wakam.

 

Comentando a partilha de experiências entre as duas insurtechs, o responsável da Lovys testemunha: “Estamos contentes com a transformação de marca que anunciam oficialmente esta semana, e comprovamos que as características que representa, estão de facto no seu DNA”.

“A tecnologia, a rapidez e a transparência são visíveis na forma de criar novos produtos, nos workshops de novas tendências que promovem e na colaboração diária que têm connosco. No futuro, temos já em perspetiva novos produtos e parcerias nos quais estamos a trabalhar juntos,” acrescenta Andrade e Sousa.

Exibindo taxa média de crescimento anual de 37,2% nos últimos cinco anos e um volume de negócios de 382 milhões de euros em 2019, a Wakam posiciona-se na área B2B, com soluções de seguros incorporados (de marca branca) nos seus produtos ou serviços, respondendo assim às transformações dos modos de consumo.

A empresa, pioneira em França em soluções UBI (Usage Based Insurance) e atualmente a liderar o mercado francês dos seguros de veículos da nova mobilidade citadina, apresenta extensa lista de parceiros, entre os quais estão seguradoras como AIG, Verspierren, Saham, Zego e Gallen Seguros, além de corretores, retalhistas e non-profits. A solidez e rentabilidade económica demonstradas pela Wakam “refletem as escolhas estratégicas da empresa,” explica a ex-La Parisienne Assurances.

Enquanto marca, a Wakam “irá agora simbolizar a digitalização da sua oferta e o desejo de conquistar mercados internacionais” através da conceção e implementação de soluções de “seguros à medida, distribuídas por corretores, seguradoras e agentes alternativos,” realça ainda o comunicado.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Lovys reforça colaboração com Wakam (ex-La Parisienne Assurances)

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião