Prazo para travar extensão da moratória do crédito até março acaba hoje

Período para beneficiar da moratória do crédito foi estendido até março de 2021, sendo que quem não pretender beneficiar desse prazo adicional de seis meses tem de declará-lo até 20 de setembro.

A moratória do crédito foi alargada até ao final de março do próximo ano com vista a dar mais tempo e aliviar os orçamentos das famílias e empresas penalizadas pela pandemia. Contudo, quem não pretenda beneficiar deste período adicional de seis meses tem até hoje para declarar essa intenção.

Foi em meados de junho que o Governo decidiu estender, de 30 de setembro para 31 de março do próximo ano, o fim do prazo para a suspensão do pagamento das prestações dos créditos no âmbito da moratória. Nesse quadro, decidiu também que essa extensão seria automática para quem já tivesse feito esse pedido, sendo que quem quisesse abdicar desse prazo suplementar teria até 20 de setembro, este domingo, para o comunicar à instituição financeira respetiva.

“O prazo de vigência da moratória pública é prorrogado até 31 de março de 2021. Esta prorrogação aplica-se automaticamente às operações de crédito já abrangidas pela moratória, exceto se os clientes bancários comunicarem à instituição mutuante a sua oposição à extensão do prazo até ao dia 20 de setembro de 2020″, explica o Banco de Portugal.

A extensão do prazo foi anunciada em paralelo com um conjunto de adaptações à moratória pública que vieram alargar o âmbito da sua aplicação, nomeadamente, a mais tipos de créditos e também em termos dos potenciais beneficiários.

Mais tarde, já no final de julho foi também alargado o período para pedir a adesão à moratória que passou do final de junho para o fim já deste mês: a 30 de setembro.

Entretanto, no seguimento da crise pandémica, o Governo já admitiu a possibilidade de poder vir a prolongar a moratória. O ministro das Finanças, João Leão, disse recentemente contar ter “novidades” sobre as moratórias do crédito das empresas e dos cidadãos até ao Orçamento do Estado para 2021.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Prazo para travar extensão da moratória do crédito até março acaba hoje

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião