Jóias portuguesas da marca Wonther são referência de sustentabilidade nos Estados Unidos

As peças da marca de joalharia portuguesa foram seleccionadas pela estilista Rachael Wang para um editorial da revista TeenVogue.

Chama-se Wonther, é portuguesa e está em destaque num editoiral da revista norte-americana TeenVogue. As peças de joalharia desta marca nacional foram selecionadas pela estilista Rachael Wang, considerada “a maior referência em styling inclusivo e sustentável nos Estados Unidos”.

“Para uma marca tão jovem é difícil construir-se com base em valores éticos e sustentáveis. É um grande privilégio ser selecionada pela Rachael Wang, alguém que defende diariamente os valores que nos movem”, explica Olga Kassian, fundadora da marca de joalharia portuguesa, que já tinha sido reconhecida internacional pela sua política ética e de sustentabilidade.

A sustentabilidade tem vindo a ganhar terreno e são cada vez mais as marcas que se juntam a esta nova realidade. Para a estilista Rachael Wang, a “sustentabilidade é agora uma exigência do consumidor”. “Os clientes estão a ameaçar reter os seus gastos, a menos que vejam progresso na representação e no fabrico ético. Na nossa sociedade capitalista, o nosso dinheiro conta como o nosso voto, por isso, teoricamente, se as pessoas votarem com seu dinheiro ou retiverem os gastos para o tipo de mundo em que desejam viver, então, esperançosamente, a indústria será forçada a mudar”, explica Rachael Wang no seu editorial para a revista americana TeenVogue.

A estilista Rachael Wang tem dado ênfase à inclusão, diversidade corporal e sustentabilidade na indústria da moda, onde trabalha há mais de dez anos como estilista e diretora de grandes publicações em Nova Iorque como a W Magazine, Glamour, Nylon, Style.com, Allure, entre outras.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Jóias portuguesas da marca Wonther são referência de sustentabilidade nos Estados Unidos

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião