Administrador executivo da Efacec demite-se

  • ECO e Lusa
  • 23 Setembro 2020

Rui Lopes vai deixar a empresa, que está atualmente em processo de reprivatização. Fonte oficial da Efacec diz que a saída de colaboradores "faz parte da normalidade da vida e das empresas".

O administrador executivo Rui Lopes demitiu-se da Efacec esta semana, segundo noticia o jornal Expresso (acesso livre). O gestor tem participado no processo de preparação da empresa para a reprivatização, após a nacionalização realizada em julho na sequência dos Luanda Leaks.

Rui Lopes, que era membro da administração da Efacec desde novembro de 2017, confirmou ao semanário que apresentou demissão aos acionistas da Efacec. Não explicou, no entanto, quais as razões para a saída. O ex-administrador já não esteve presente na última reunião da comissão executiva nem do conselho de administração.

Esta saída foi entretanto confirmada à Lusa pela própria Efacec, ressalvando que a mesma “em nada altera” o foco na liderança. “Esta saída em nada altera o foco da liderança da empresa, que prossegue a sua estratégia e compromisso para a entrega de resultados e para a consolidação do valor económico-social da Efacec em Portugal e no mundo”, afirmou fonte oficial da Efacec, acrescentando que a entrada e saída de colaboradores “faz parte da normalidade da vida das empresas em mercados competitivos e dinâmicos”.

A Efacec ainda não tem novos órgãos sociais, que serão nomeados pela Parpública e estão dependentes da marcação de uma Assembleia Geral, pelo acionista Estado. Em simultâneo, está também a decorrer o processo de avaliação da empresa para que será definido o valor de uma eventual indemnização a pagar pelo Estado aos acionistas, como obriga a lei das nacionalizações.

(Notícia atualizada às 19h48 com reação da Efacec)

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Administrador executivo da Efacec demite-se

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião