F1 em Portugal com 38 mil nas bancadas. Espectadores podem ter de usar máscara

AIA chegou a apontar para 50 ou 60 mil espectadores nas bancadas a ver a F1. Número baixou para 46 mil, mas o limite será, agora, de 38 mil. Ainda há bilhetes.

A ParkAlgar, a gestora do Autódromo Internacional do Algarve, chegou a trabalhar num cenário em que teria 46 mil espetadores a assistir ao vivo ao regresso da “prova rainha” do automobilismo ao país, mas a fasquia está agora mais comedida. Numa altura em que os casos de Covid-19 estão a aumentar tanto em Portugal como no resto da Europa, Paulo Pinheiro garante que haverá público nas bancadas, mas a lotação do circuito será menor que o previsto. Resta saber se terão, ou não, de usar máscara para assistirem à corrida de Fórmula 1 (F1).

Em Portugal, os recintos desportivos continuam vazios, embora o secretário de Estado do Desporto, João Paulo Rebelo, diga esperar que “nas próximas semanas” o público possa estar de regresso às bancadas, não só dos estádios de futebol, mas a outros, como os autódromos. Aliás, desde que foi confirmada a prova portuguesa que essa era a expectativa, já que foi logo colocado à venda o primeiro lote de bilhetes — que rapidamente esgotou.

“Já temos autorização das autoridades” de saúde para a presença de público nas bancadas do AIA, entre 23 e 25 de outubro, ou seja, sensivelmente dentro de um mês. A garantia é dada ao ECO pelo CEO da gestora do recinto, que promete que será “respeitada e assegurada a proteção dos espectadores”. “É um ponto fulcral para nós”, remata.

Parkalgar está a prever um máximo de 38 mil espectadores, num recinto com capacidade para mais de 90 mil.

Paulo Rebelo

CEO da Parkalgar

“O método utilizado [para a limitação de lugares no recinto] foi o de assegurar os distanciamentos, seja nas bancadas seja no processo de acesso ao circuito, para que durante todo o tempo as normas em vigor de distanciamento sejam cumpridas“, diz Paulo Pinheiro. Para isso, a Parkalgar está a “prever um máximo de 38 mil espectadores, num recinto com capacidade para mais de 90 mil”.

A lotação prevista é inferior à apontada inicialmente pelo responsável logo após a confirmação da realização da prova de F1 em território nacional, que era de 46 mil, cerca de metade da capacidade máxima — chegou mesmo a falar em 50 ou 60 mil. “São regras [de limitação de lugares] adicionais, testadas e validadas durante o Mundial de Superbikes” que decorreu em agosto, explica o responsável ao ECO.

São menos oito mil espectadores, por forma a “assegurar todas as normas de higiene”, diz Paulo Rebelo. Até ao momento, foram vendidos “mais de 32 mil bilhetes”, havendo cerca de seis mil disponíveis, revela o CEO que, recentemente, salientou que a prova acontecerá sempre, mas admitiu que “se a situação epidemiológica do país piorar, a presença de público será cancelada”.

Máscara pode ser obrigatória

Todos estes milhares de espectadores que pretendem ver (e ouvir) os monolugares a acelerar em terras lusa após 24 anos de silêncio da F1 em Portugal terão de utilizar máscara para aceder ao recinto. Esta é uma das regras já definidas pela organização da prova como medida adicional de proteção do público, além do distanciamento social.

"O uso de máscara que, neste momento, é obrigatório, até chegarmos ao lugar na bancada, poderá ser obrigatório ao longo de todo o evento.”

Paulo Rebelo

CEO da Parkalgar

Contudo, poderá ser necessário manter essa mesma máscara a tapar a boca e nariz. “O uso de máscara que, neste momento, é obrigatório, até chegarmos ao lugar na bancada, poderá ser obrigatório ao longo de todo o evento“, alerta Paulo Pinheiro.

Esta afirmação surge numa altura em que a Direção-Geral da Saúde (DGS) publicou o plano da saúde para o período “outono-inverno”. Neste documento é recomendado o uso de máscara ao ar livre, além dos espaços fechados, embora apenas em situações em que não seja possível assegurar o distanciamento social, como em ruas movimentadas.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

F1 em Portugal com 38 mil nas bancadas. Espectadores podem ter de usar máscara

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião