Governo prolonga estado de contingência até 14 de outubro

O Conselho de Ministros decidiu alargar até às 23h59 de 14 de outubro a situação de estado de contingência "em todo o território nacional".

O Conselho de Ministros decidiu prolongar até às 23h59 de 14 de outubro a situação de estado de contingência “em todo o território nacional”. A informação foi transmitida pelo Governo em comunicado, numa altura em que a situação pandémica no país continua a evoluir desfavoravelmente.

Nesse sentido, continuarão em vigor as diversas medidas criadas pelo Executivo para tentar controlar a pandemia de Covid-19 e que entraram em vigor a 15 de setembro. Entre elas, a limitação dos ajuntamentos a dez pessoas, metade do que era permitido antes, exceto no caso das famílias em coabitação.

“Mantêm-se todas as medidas de contingência, sem nenhuma alteração”, explicou a ministra da Presidência, Mariana Vieira da Silva, em conferência de imprensa após a reunião.

Assim, o horário de abertura de estabelecimentos comerciais mantém-se nunca antes das 10 horas da manhã, exceto as pastelarias, cafés, cabeleireiros e ginásios, até ao intervalo entre as 20h e as 23h, conforme definido por cada autarquia.

As refeições de grandes grupos também continuam proibidas nas zonas de restauração dos centros comerciais, onde apenas podem estar sentados grupos de quatro pessoas no máximo. Nos restantes restaurantes, o limite é de dez pessoas por grupo.

Continua também a medida especial criada para restaurantes, cafés e pastelarias que se localizem a menos de 300 metros das escolas, que só poderão atender grupos com quatro pessoas.

Há ainda outras medidas que visam travar a propagação da pandemia e que continuam em curso. É o caso da limitação à lotação dos transportes nos dois terços, a obrigatoriedade do uso de máscara em espaços públicos fechados e transportes, e as várias restrições ao consumo de bebidas alcoólicas.

(Notícia atualizada pela última vez às 13h12)

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Governo prolonga estado de contingência até 14 de outubro

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião